Internacional

O PCP e a situação na Guiné-Bissau

O PCP tem acompanhado com preocupação os graves acontecimentos na República da Guiné-Bissau, pronunciando-se desde o primeiro momento por uma solução política negociada do conflito que permitisse pôr termo à guerra e aos gravíssimos sofrimentos do povo.

Sobre a situação na Indonésia

1. Suharto, o ditador que chegou ao poder em 1965 na sequência de um golpe militar que assassinou largas centenas de milhares de comunistas e outros democratas e patriotas indonésios, foi obrigado a deixar o poder na sequência de grandiosas lutas populares e estudantis que abalaram a ditadura. Para este fim contribuiu sem dúvida a heróica luta do povo maubere em Timor Leste.

Sobre as ameaças militares dos EUA ao Iraque

As ameaças dos EUA de intervenção militar no Iraque constituem um grave perigo para a paz e segurança na região e no mundo, e inserem-se nos seus propósitos de hegemonia mundial.

Esta política da Administração Clinton, levada a efeito à revelia do próprio Conselho de Segurança da ONU, encontra sérias resistências no mundo, incluindo entre os seus mais directos aliados.

Europa: A ambição Alemã

É cada vez mais evidente que aquilo que é bom para a Alemanha de Kohl e do grande capital não o é nem para a Europa nem para o povo alemão.

Sobre a Cimeira de Amsterdão

Analisando os resultados da Cimeira Intergovernamental de Amsterdão e, pese embora não haver ainda um conhecimento total do aprovado, consideramos que as informações disponíveis permitem, desde já, destacar três traços:

- Uma profunda mistificação sobre o emprego e o social;

- A continuação do neoliberalismo a galope, com o federalismo à arreata;

Saudação ao Comité Central do Partido Comunista Francês

Em nome dos comunistas portugueses transmitimo-vos as calorosas e fraternais felicitações pelos resultados alcançados pelo PCF na 2ª volta das

Sobre os resultados da 1ª volta das eleições legislativas em França

1. Os resultados da 1ª volta das eleições legislativas na França, convocadas abruptamente por Chirac na esperança de assim poder ainda fugir a uma derrota eleitoral, traduzem uma forte condenação da política de direita e evidenciam uma grande aspiração a uma nova política liberta das imposições e consequências de Maastricht.

A Europa veio a Lisboa

«Que os povos decidam o futuro da Europa». Os milhares de pessoas que encheram o Campo Pequeno, em Lisboa, no sábado passado, puderam ler esta frase em diversas línguas. Mais do que isso, puderam manifestar a sua vontade de mandar nos seus destinos e reivindicar uma União Europeia de progresso social, paz e cooperação conjuntamente com representantes de 14 partidos de 10 países.

A luta continua!

Foi um grande comício este nosso Comício Internacional de Lisboa. Pela importância e oportunidade política do seu tema central. Pelo amplo leque e alto nível das forças políticas participantes. Pelo seu carácter de massas, em que é justo sublinhar a grande e aguerrida mancha de juventude e o esclarecido e combativo calor de solidariedade internacionalista que percorreu todo o comício.