Intervenção de André Santos, Membro do Executivo da Direcção da Organização Regional da Guarda do PCP, XX Congresso do PCP

Organização Regional da Guarda

Ver vídeo

''

Camaradas,

Começo por transmitir uma saudação da Organização Regional da Guarda ao Congresso.

Ao longo dos últimos quatro anos, foi intensa a actividade do Partido no distrito da Guarda. Lembremos as comemorações do centenário do camarada Álvaro Cunhal, dos 40 anos da Constituição e dos 40 anos do 25 de Abril, destacando-se a este nível a atribuição do nome 25 de Abril a uma avenida da cidade da Guarda, que não dispunha de qualquer referência toponímica à Revolução.

O Partido interveio, acompanhou e reforçou-se nas diversas lutas: da Administração Pública, particularmente pelas 35h, dos enfermeiros, dos trabalhadores do Contact Center de Seia, da Lusolã, Beiralã e da Serralã, do IPG, da Solnave e da Randstad na ULS na Guarda, dos agricultores e na Fundação Côa Parque, a das populações por melhores serviços públicos, designadamente contra a redução de valências hospitalares em Seia ou o encerramento dos postos médico e da GNR no Gonçalo, dos tribunais da Meda e de Fornos de Algodres, da repartição de finanças de Pinhel. Mas também a luta pelo regresso da gestão do Parque e Museu do Côa para a Administração Central, as lutas contra as portagens na A23 e na A25.

No plano da organização, consolidaram-se células, criou-se o sector da cultura e retomou-se a ligação ao concelho de Trancoso.

Estes avanços, apesar das dificuldades, só foram possíveis e são superáveis com o reforço do Partido, com a responsabilização de mais quadros, mais recrutamento, mais informação e propaganda, com o reforço da venda e leitura do Avante, assim como da formação ideológica e da estruturação do Partido nas empresas e locais de trabalho.

Um Partido mais forte é possível assim como o é a inversão da situação do Distrito. Este é bem evidenciado por alguns números da política de direita. Na educação, só entre 2002 e 2014 encerraram mais de 400 escolas, sendo a maior parte do ensino básico. Na saúde, os equipamentos degradam-se e o pessoal diminui. Entre 2001 e 2015, a Guarda perdeu 25% dos seus médicos, 6% dos enfermeiros e 12% do pessoal auxiliar e administrativo. Concelhos como Aguiar, Celorico, Meda, Pinhel, Sabugal ou Foz Côa contam com apenas 1 médico por 1.000 habitantes, contrastando com os 4,5 da média nacional! A oferta de trabalho diminui, existindo em 2014 menos 5.000 trabalhadores que em 2008. Já a precariedade aumenta, em particular entre os trabalhadores com menos de 35 anos.

Um distrito da Guarda mais justo é possível com a política alternativa patriótica e de esquerda que o PCP propõe: Valorizando a agricultura familiar e a floresta, Apostando na qualificação e defesa dos produtos únicos da região, desde o queijo da serra ao vinho do Douro, apoiando a produção e a criação de emprego com direitos, colocando ao serviço do povo o património ambiental e cultural da região, designadamente a serra da Estrela ou o vale do Côa, investindo na melhoria das condições de vida das populações do interior, mediante o reforço dos serviços públicos, a melhoria das vias de comunicação através, por exemplo, do investimento na ferrovia ou da abolição das portagens, investindo na cultura, mediante o investimento no ensino artístico, nas bibliotecas ou nos apoios à criação artística e às associações culturais.

É por isto que lutamos e queremos continuar a lutar, dependendo o êxito desta luta do reforço do nosso Partido e da sua acção, da dinamização da luta dos trabalhadores e das populações na construção da democracia avançada e dos valores de Abril no futuro de Portugal. Por um distrito da Guarda mais justo, por um país melhor, por um Partido mais forte.

Viva o XX Congresso.
Viva o PCP!

>
  • Intervenção
  • XX Congresso do PCP
  • PCP
  • Guarda

Partilhar