Nota do Gabinete de Imprensa do PCP

75 anos – Libertação de Auschwitz pelo Exército Soviético

Ver vídeo

''

Comemoram-se hoje 75 anos da libertação, pelo Exército Soviético, do campo de concentração nazi de Auschwitz, onde foram sistematicamente assassinados – nas câmaras de gás, pela fome e a doença, nos fuzilamentos e sob a tortura – mais de um milhão e cem mil seres humanos.

Ao assinalar esta data, o PCP recorda o papel determinante e inesquecível da URSS, do povo soviético e do seu Exército Vermelho, na derrota de Hitler e do nazi-fascismo, a expressão histórica mais violenta e terrorista do capitalismo. Os épicos sacrifícios do povo soviético na Segunda Guerra Mundial – com os seus mais de 20 milhões de mortos –, que levaram à libertação dos povos e dos trabalhadores da barbárie nazi-fascista, nunca serão esquecidos.

Nos campos de concentração nazis foram exterminados milhões de seres humanos, na sua maioria prisioneiros de guerra e civis soviéticos, judeus, eslavos, entre outros. Mas os campos de concentração nazis foram também campos de trabalho escravo ao serviço dos grandes monopólios alemães – IG Farben, Krupp, Siemens, AEG e outros – que desempenharam um papel decisivo na ascensão de Hitler e do nazismo ao poder. Campos onde a exploração do trabalho humano era levada ao extremo – até à morte – e onde os considerados inaptos para o trabalho eram cruelmente eliminados.

Nenhuma campanha de mentiras e de falsificação histórica poderá jamais apagar o papel decisivo da União Soviética e dos comunistas, encabeçando a Resistência e o combate que derrotou o nazi-fascismo à custa de inenarráveis sacrifícios.

Combate contra o fascismo, em que se insere a luta do Partido Comunista Português pela liberdade e a democracia, contra a ditadura fascista em Portugal, que durante quase meio século oprimiu o povo português, liquidou as mais elementares liberdades, condenou o nosso País ao atraso e à miséria, reprimiu, torturou e assassinou, conduziu criminosas guerras coloniais.

Os comunistas foram as primeiras vítimas do fascismo. Foi em nome do anti-comunismo que grande parte da classe dominante foi conivente e apoiou a ascensão e a brutalidade do fascismo, e não apenas nos países – como Portugal – onde alcançou o poder. Uma conivência que teve uma clara marca de classe, inseparável do desejo de ver o nazi-fascismo esmagar o movimento operário e os partidos comunistas, salvar um capitalismo em profunda crise, e agredir e destruir a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

As responsabilidades dos grupos monopolistas e das potências ocidentais na ascensão do fascismo e na eclosão da Segunda Guerra Mundial fica patente na traição à República democrática espanhola, no abandono à sua sorte dos povos que foram das primeiras vítimas das agressões fascistas – como a Etiópia, a China ou a Áustria – ou na Conferência de Munique de Setembro de 1938, com a colaboração aberta do Reino Unido e da França com Hitler e Mussolini no desmembramento da Checoslováquia. Expressou-se também na rendição e colaboracionismo da França de Vichy.

A conivência do grande capital com o fascismo prosseguiu, após a Segunda Guerra Mundial, com a promoção de uma aliança anti-comunista encabeçada pelos EUA – como exemplifica a transformação do Portugal fascista em aliado e membro fundador da NATO –, visando conter e reverter os históricos avanços na libertação social e nacional alcançados pelos povos no pós-guerra. Milhares de nazi-fascistas e seus colaboracionistas foram postos ao serviço das campanhas anti-comunistas e das redes de subversão e terrorismo – tipo ‘Gladio’ –, criadas pelo imperialismo norte-americano e seus aliados em todo o mundo. Em numerosos países, como a República Federal da Alemanha, foram colocados em importantes posições de poder. É desses meios e desses apoios abertos e encobertos do imperialismo que surgem as forças que hoje, em diversos países do Leste da Europa – como na Ucrânia ou nas Repúblicas do Báltico – reabilitam o fascismo e glorificam abertamente os colaboradores com o nazismo, ao mesmo tempo que destroem os monumentos e a memória das tropas soviéticas e ilegalizam os Partidos Comunistas, e perseguem os comunistas e outros democratas.

Como a História demonstra, sob o anti-comunismo escondem-se as concepções e os intentos mais reaccionários e anti-democráticos.

O branqueamento do fascismo e dos seus crimes não é novo, como atesta, por exemplo, a visita do Presidente dos EUA, Ronald Reagan, e do Chanceler da República Federal da Alemanha, Helmut Kohl, ao cemitério das ‘SS’ (tropas de choque nazis), em Bitburg, em 1984. Mas as campanhas de branqueamento do fascismo, de banalização da ideologia fascista, de mentira e de falsificação históricas, ganham hoje uma dimensão inaudita – onde se integra a vergonhosa resolução anti-comunista aprovada no Parlamento Europeu em Setembro passado ou a inaceitável iniciativa de criação em Portugal de um ‘museu’ dedicado ao ditador Salazar.

Estas campanhas demonstram que, tal como no Século XX, sectores do grande capital apostam hoje de novo no ataque às liberdades, à democracia, à soberania, na violência, na guerra, para tentar ultrapassar a crise estrutural do capitalismo e travar a inevitável resistência dos trabalhadores e dos povos face à ofensiva deste brutal sistema de opressão e exploração. Particularmente cínica e perversa é a campanha para, em nome da justa condenação da cruel perseguição nazi aos judeus, procurar justificar os crimes do regime sionista de Israel contra o povo palestiniano e a ocupação violenta e ilegal de territórios da Palestina.

Num tempo em que a Humanidade enfrenta de novo a ameaça do fascismo e da guerra, o PCP, levantando a bandeira da paz e da verdade, do combate contra a mentira e a falsificação histórica, contra o fascismo e a guerra, apela à consciência e mobilização dos democratas e anti-fascistas para que nunca mais se repitam Auschwitz, os horrores do nazi-fascismo e da guerra.

>
  • Central
  • Paz e Solidariedade
  • Auschwitz
  • Fascismo
  • II Guerra Mundial
  • nazismo
  • União Soviética

Partilhar