Intervenção de Ludvík Šulda, Membro do Partido Comunista da Boêmia e Morávia (República Checa), Debate «20 anos de circulação do Euro: passado, presente e futuro», Debate «20 anos de circulação do Euro: passado, presente e futuro»

Um olhar sobre a situação na UE - Chéquia

Um olhar sobre a situação na UE - Chéquia

Caros camaradas,
Caros participantes,

A minha intervenção provavelmente não será tão erudita quanto dos meus antecessores. Este ano marca o 20º aniversário da introdução da moeda única europeia, o euro. Esta a a situação de 19 países, de um total de 27 Estados Membros da União Europeia. A República Checa está entre os países que ainda não adotou o euro. Entre os nossos vizinhos, encontra-se também a Polónia. A República Checa comprometeu-se a adoptar o euro após a sua adesão em 2004. Nessa altura, os cidadãos da República Checa decidiram a adesão à União Europeia num plebiscito. O PCBM aconselhou os cidadãos a votarem contra a adesão à União Europeia.

Note-se que a República Checa ainda é um dos países eurocéticos, one cerca de 66% dos cidadãos do nosso país são contra a introdução do euro. A resistência maioritária dos Checos contra a moeda única começou depois de 2009 e está associada à crise económica e especialmente à chamada crise Grega. Até agora, os governos Checos também não se apressaram para a zona do euro. A questão da adesão à zona euro e a sua data não estavam entre os principais temas da campanha antes das eleições europeias de 2019.

Assim, a República Checa não tem data oficial para entrada no euro. Embora o ex-Primeiro-Ministro Andrej Babiš fosse um defensor do euro enquanto empresário, o seu governo disse num comunicado que não procuraria a entrada na zona do euro. Em relatórios de Dezembro de 2020, o Banco Nacional Checo e o Ministério das Finanças recomendaram ao governo que não estabelecesse uma data para ingressar na zona do euro. Mesmo os representantes do atual governo de direita no final de 2021 não eram a favor da República Checa estabelecer uma data para ingressar na zona do euro, porque não planeiam introduzir o euro neste mandato. Segundo eles, a República Checa não possui as condições para adoptar do euro e isso também não é benéfico para o país. O déficit de Estado na República Checa é atualmente de 5,9% do PIB, a dívida pública é de 42% do PIB e a inflação é de 15%.

Os economistas Checos também acreditam que a adoção do euro agora não seria benéfica para a República Checa. Segundo eles, o principal motivo é a perda da política monetária independente do Banco Nacional Checo e a função estabilizadora da moeda Checa independente, bem como o estado atual das finanças públicas. Segundo eles, o desenvolvimento da economia da zona do euro após o fim da pandemia do coronavírus ou a política do Banco Central Europeu também são incertos. Por outro lado, a adoção da moeda única europeia reduziria ainda mais os custos de transação das empresas e eliminaria completamente o risco de flutuações na taxa de câmbio das coroas Checas. No entanto, nos últimos 15 anos, os custos de transação corporativa diminuíram em parte devido à transição das empresas para transações diretas ou empréstimos em euros. Nesse contexto, por exemplo, como parte de um programa de coligação, o atual governo planeia permitir que as empresas mantenham contas e registos fiscais em euros. No entanto, a República Checa não satisfaz actualmente as condições estabelecidas para a adopção do euro, por exemplo, no caso das finanças públicas.

A atual inflação alta na República Ccheca, cerca de 15%, fez com que um dos principais partidos do governo apresentasse a ideia de que a inflação na zona euro é metade da do nosso país. Portanto, se tivéssemos o euro, que eles dizem ser uma moeda mais estável, a inflação seria metade e o aumento de preços não seria tão significativo. Ao mesmo tempo, não mencionam que a inflação era superior a 11% na Eslováquia e 19% na Estônia. Ambos países da zona do euro.

Até agora, o euro é mais um projeto político, tem problemas económicos. Portanto, além da democratização do Banco Central Europeu, a questão é a evolução do Espaço Económico Europeu (problemas entre o norte e o sul da área do euro). Devemos tomar todas as medidas para evitar um novo declínio na moeda nacional e, ao mesmo tempo, devemos evitar quaisquer jogos especulativos com a taxa de câmbio de nossa Coroa. Está muito em jogo. Dada a crescente dependência contínua da República Checa em relação às importações, especialmente de alimentos e bens de consumo da Europa Ocidental, e agora relacionado com o conflito armado na Ucrânia e as sanções anti-russas, os preços estão subindo, como eu disse, em todas as áreas da nossa economia e têm impacto sobre todos os cidadãos.

De acordo com o Partido Comunista da Boêmia e da Morávia, o euro é hoje principalmente um instrumento de países poderosos. É por isso que nos recusamos fundamentalmente a adotar o euro, a menos que o Banco Central Europeu seja democratizado e não haja mais debate sobre como deve ser a política monetária. Resulta que os Estados-Membros da UE e especialmente os países da já mencionada zona euro estão completamente subordinados ao Banco Central Europeu e, especialmente, ao Fundo Monetário Internacional. Isto é particularmente evidente na abordagem dos países afetados pela crise, que pode ser descrita como orientações completamente inaceitáveis, causando cortes drásticos no orçamento, um aumento acentuado do desemprego e um enorme aumento da pobreza. Para nós, juntamente com esta política económica, as diretivas e regulamentos muitas vezes sem sentido andam de mãos dadas. O Partido Comunista da Boêmia e da Morávia quer enfatizar a coesão económica, a equiparidade regional e o desenvolvimento sustentável. Até lá, adotar o euro é completamente impensável. Especialmente considerando o risco elevado de perder a remanescente soberania económica e política, que não pode ser compensada por benefícios incertos para os negócios. O tratamento do chamado Eurogrupo em relação à Grécia é um aviso suficiente para nós.

O chamado Pacto Fiscal também é um problema. Embora pareça não haver necessidade de questionar uma disciplina fiscal específica, é necessário perguntar como tal deve ser alcançado para que os desequilíbrios estruturais não se aprofundem e o desenvolvimento futuro não seja prejudicado. O Pacto Fiscal é vinculativo apenas para os países da área do euro; outros países da UE, como a Dinamarca ou a Bulgária, aderiram voluntariamente. A Suécia ou a Polónia decidiram não tornar vinculativo o Pacto Fiscal até o euro ser adotado. Amarrar os gastos públicos na hora errada pode aprofundar a recessão, e é por isso que diferentes sindicatos têm uma abordagem inconsistente para o Pacto Fiscal Europeu. A Confederação Checa-Morávia de Sindicatos defende a adopção de um novo acordo fiscal, dada importância da nossa participação na integração económica. A Confederação Europeia de Sindicados (ETUC) é ainda mais crítica. Teme que o fraco crescimento tenha um impacto negativo no emprego.

O Partido Comunista da Boêmia e da Morávia acredita que, de momento, a política monetária independente do Estado não pode ser abandonada . Também estamos preocupados que a taxa de câmbio e as taxas de juros já não possam ser usadas como ferramenta de uma política monetária do Estado. Ao mesmo tempo, preocupamo-nos aderir ao Mecanismo Europeu de Estabilização, o que significaria envolver a República Checa no sistema de garantias financeiras para as dívidas de outros Estados-Membros da área do euro. Claro, existe também o risco de aumentos de preços a curto prazo, o que está relacionado com a introdução temporário de taxas de câmbio fixas entre o euro e a Coroa Checa.

A ideia de introduzir o euro digital também levanta preocupações – durante a pandemia, as pessoas confrontaram-se com vendedores que não queriam aceitar o seu numerário. Subsequentemente, houve uma disputa entre o Banco Nacional Checo e o Ministro do Interior (liderado pelo Partido Social Democráta Checo), em que este (contrariamente ao banco) era da opinião que os vendedores não poderiam ser punidos. No futuro, o Partido Comunista da Boêmia e Morávia tem de também focar-se em assegurar que os vendedores não possam impor impunemente aos clientes como estes devem pagar e se aceitam pagamentos em numerário.

Obrigado pela vossa atenção.

>
  • Economia e Aparelho Produtivo
  • Parlamento Europeu
  • Euro