Intervenção de Carina Castro, Membro do Comité Central do PCP, XX Congresso do PCP

Os orgãos de comunicação social

Ver vídeo

''

Queria dirigir uma palavra aos profissionais de comunicação social que acompanham o nosso Congresso a trabalhar. São trabalhadores que à semelhança de todos os outros, têm visto os horários de trabalho aumentar e o salário a diminuir. Viram a precariedade alastrar no sector e foram vítimas do desemprego que resultou do encerramento de títulos e do emagrecimento das redacções. Assistiram à desvalorização, ao ataque e aos cortes no financiamento do serviço público.

Quem sobrou, para lá da incerteza e da ameaça constante de desemprego, faz hoje o trabalho de 2, 3 jornalistas, a uma velocidade alucinante, faz o texto do papel, do digital, a fotografia e o vídeo, sem tempo para enquadrar, pesquisar, criticar, contraditar. Perdem os trabalhadores do sector, perdem a qualidade e o rigor da informação, perde a democracia.

A todos apelamos para que defendam os seus interesses e tomem partido contra a sua exploração. Sim, mesmo quando as notícias desvalorizam e caricaturam quem luta, quem as escreve é também explorado. Nesta batalha, não há neutralidade.

Se o digital e as chamadas redes sociais são hoje veículos privilegiados de acesso à informação, não quer dizer que haja mais pluralismo, ou que a classe dominante deixou de determinar os seus conteúdos. Os formatos não alteram, por si, a relação de forças, nem iludem o domínio ideológico exercido pelo grande capital em que se insere a concentração da propriedade dos órgãos de comunicação social: em Portugal, 5 grupos detêm mais de 50 espaços de informação, com uma crescente presença de capital estrangeiro e da banca privada na estrutura accionista. Tal concentração, contraria a CRP, põe em causa o pluralismo, a liberdade de expressão e de acesso à informação, empobrece o regime democrático.

A comunicação social é um negócio para os seus proprietários, mas sobretudo constitui um instrumento de influência e de poder político, social, económico e ideológico. Também por isso, precisamos, ao contrário do que tem acontecido, de um serviço público que disponha dos meios para cumprir a obrigação constitucional de salvaguardar a sua independência perante o poder político e o poder económico, e capaz de «assegurar a possibilidade de expressão e confronto das diversas correntes de opinião».

Bem revelador do apurado sentido de controlo e orientação dos principais grupos dominantes, é a inconformação de grande parte dos órgãos de comunicação com a actual solução política, particularmente com o papel do PCP, acentuando-se o silenciamento, a discriminação, e mesmo o ataque ostensivo.

Somam-se os demais aspectos marcantes da informação actual: o imediatismo, o efémero, a contaminação da notícia pelo sensacionalismo, o entretenimento, a confusão deliberada entre publicidade e espaço de informação. O recurso sistemático à opinião e ao comentário, dominantemente protagonizado por responsáveis e impulsionadores da política de direita, o recurso à interpretação para desvirtuar ou destruir mensagens e posicionamentos políticos. Verdadeiros truques da imprensa portuguesa.

O Programa que o PCP propõe ao povo português preconiza uma comunicação social pluralista, democrática e responsável, como essencial a um regime de liberdade, cito: «É indispensável à formação, em condições de real liberdade, da opinião dos cidadãos e ao estímulo à sua participação cívica, à transparência da vida política, ao controlo democrático da acção dos órgãos de poder, à expressão genuína da vontade popular através do sufrágio, ao conhecimento das realidades e ao esforço colectivo para a solução dos problemas nacionais, à elevação do nível cultural da população e à aproximação, amizade e compreensão entre os povos». É também por isto que lutamos.

>
  • Intervenção
  • XX Congresso do PCP
  • Regime Democrático e Assuntos Constitucionais
  • Central
  • Comunicação Social

Partilhar