Nota do Gabinete de Imprensa do PCP

Sobre o anúncio pela Comissão Europeia de propor o fim da mudança da hora

A pretensão anunciada pela Comissão Europeia de propor o fim da mudança da hora, a coberto de uma suposta consulta pública, invocando razões de interesse “do mercado interno” e comércio transnacional é expressão, mesmo em matérias como esta, de concepções federalistas inaceitáveis.

O argumento usado pelo presidente da Comissão Europeia de que “quando se consulta os cidadãos sobre algo, convém de seguida fazer aquilo que desejam” só pode ser lido como exercício de cinismo, conhecido que é o desrespeito da União Europeia pela vontade expressa pelos povos, como historicamente se verificou, e verifica, seja em referendos nacionais, como sucedeu na Dinamarca, na Irlanda ou na Grécia.

Cada Estado, a começar pelo nosso País, deve ter o poder soberano de fixar a hora de acordo com os seus interesses específicos, a sua geografia, ritmos e organização de vida individual e colectiva, que nos planos social, cultural e económico, melhor correspondam às necessidades de cada Povo.

>
  • União Europeia
  • Central
  • Comissão Europeia
  • Mudança Hora

Partilhar