Intervenção de José Núncio, Membro da Comissão Concelhia de Loures , XXI Congresso do PCP

Os problemas e a luta dos reformados

Ver vídeo

''

Camaradas,
Ser reformado representa uma nova fase na vida do trabalhador, em que este se desvincula da actividade profissional, mas não se desvincula dos direitos e da luta por melhores pensões, qualidade de vida e fruição saudável dos seus tempos livres.

O movimento dos reformados, pensionistas e idosos tem dado expressão à importância da organização e luta deste grupo social com peso crescente no conjunto da população e com problemas e reivindicações especificos que urge dar resposta.

Destaca-se a acção do MURPI – Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos – com a diversidade das suas iniciativas, tanto de debate e reflexão sobre as novas e velhas questões que o envelhecimento coloca, como de reivindicações que unem a luta deste grupo social.

Mas, igualmente a acção da Inter-reformados, organização especifica da CGTP-IN que tem dinamizado linhas de acção a partir da criação e funcionamento das comissões de reformados aos vários níveis das estruturas sindicais.

Uma acção que assume acrescida importância no actual quadro em que os reformados, pensionistas e idosos vivem momentos particularmente difíceis.

Camaradas,
O surto epidémico, veio expor uma realidade que lhe é anterior: a desigualdade e a pobreza entre os reformados: baixos valores das suas reformas, o desinvestimento em importantes funções sociais que impedem que a maioria possa viver esta fase da sua vida com qualidade e bem-estar e as enormes insuficiências e fragilidades da actual rede de equipamentos e serviços, designadamente dos lares.

As medidas de confinamento e o fomento do medo estão a ter consequências devastadoras no aumento exponencial das situações de solidão e de isolamento social neste grupo social com consequências na sua saúde física e mental.

Na luta contra o vírus, é fundamental o fomento da prevenção, como o uso da máscara, a higiene das mãos, o distanciamento físico e o respeito pela etiqueta respiratória.

Mas não é aceitável que os reformados vejam a sua vida reduzida “aos mínimos”, em que seja questionada e posta em causa a capacidade de tomar decisões responsáveis.

Os reformados e idosos precisam de viver, de passear, de fazer desporto, ir ao teatro e cinema, manter o convívio e ligação com a família e amigos, de terem actividade associativa e política.

Também, as associações de reformados, pensionistas e idosos enfrentam enormes dificuldades. As medidas sanitárias obrigaram a encerrarem e a necessidade de efectuar obras de adaptação para a realização de atividades alternativas que permitam o convívio, a cultura e o desporto.

Com as suas actividades suspensas ou reduzidas (Centros de Dia e Centros de Convívio) as Associações de Reformados, Pensionistas e Idosos encontram-se numa situação financeira muito difícil.

Camaradas
Temos um quadro social e associativo que precisa de ser enfrentado, e em que as organizações do Partido deverão dar acrescida atenção ao trabalho com os reformados, e à discussão e apoio aos militantes comunistas que intervêm no movimento associativo em defesa dos direitos deste grupo social.

O País precisa de outro rumo. Os reformados precisam de uma política alternativa consubstanciada na política patriótica e de esquerda assente na valorização de todas as reformas e pensões, no investimento nos serviços públicos, na criação de uma Rede Pública de Equipamentos e Serviços que responda tanto às situações, como ao direito ao convívio, às actividades lúdicas, culturais e desportivas.

Viva o Movimento Unitário Reformados e Pensionistas
Viva o Concelho de Loures
Viva o XXI Congresso
Viva o Partido Comunista Português

>
  • Intervenções
  • XXI Congresso
  • Central
  • XXI Congresso do PCP