Intervenção de Carlos Fernandes, XXI Congresso do PCP

Organização Regional de Setúbal

Ver vídeo

''

Camaradas,

Em nome da Organização Regional de Setúbal do PCP saúdo todos os camaradas presentes no nosso Congresso e através de vós todo o colectivo partidário.

Saúdo ainda os trabalhadores da Península de Setúbal que este sábado e nesta tarde estão a trabalhar. São pelo menos dez mil trabalhadores da região, da Autoeuropa, da Fisipe, da Lisnave, da Siderurgia, da indústria alimentar, dos transportes, dos hospitais, dos serviços essenciais, alguns até a fazer trabalho extraordinário.

A sua presença hoje nos locais de trabalho é um exemplo da hipocrisia que envolve a campanha contra a realização do nosso Congresso. Os trabalhadores podem trabalhar todos os dias, mesmo durante o estado de emergência, mesmo se as condições de higiene e segurança no trabalho não estiverem reunidas, mesmo que tenham de atravessar vários concelhos e mudar de distrito. Mas cai o carmo e a trindade de o Partido se reunir, a discutir a situação em que vivem os trabalhadores, as soluções para os problemas e a forma de as concretizar.

Camaradas,

Na 3ª fase de preparação realizaram-se na ORS 86 reuniões que discutiram as teses e elegeram os delegados, com 1403 participações. Num debate participado, onde os militantes manifestaram acordo geral com as Teses.

Entre Congressos, realizámos a 10ª Assembleia da Organização Regional em 2019, e recrutámos 444 camaradas. É um aspecto que valorizamos, embora existam atrasos na acção de contactos com os membros do Partido, na criação de novas células, no recrutamento dirigido e na integração de novos militantes.

Camaradas,

A Região de Setúbal tem enormes potencialidades e recursos.

A esta realidade sobrepõe-se uma outra, a submissão aos ditames da União Europeia e da política de direita praticada por sucessivos governos PS, PSD e CDS, que são a causa do desmantelamento e da destruição do aparelho produtivo, do elevado nível de precariedade e de desemprego.

No plano social a situação epidémica e o aproveitamento que dela é feito pelos grandes grupos económicos colocam em evidência a precariedade na região, onde a não renovação de contratos e o despedimento de trabalhadores tem acontecido na Autoeuropa, na VW group services e nas empresas do parque, na Navigator, na Mechaers, na Visteon, entre outras empresas, num total de 10 mil trabalhadores despedidos só entre Março e Junho.

Por outro lado, grandes grupos económicos que recorreram aos apoios do Estado no primeiro semestre, como o lay-off, vão agora distribuir lucros, como é o caso da Navigator, que anunciou 100 milhões de euros de lucros para os accionistas.

No quadro da resposta aos problemas dos trabalhadores, o movimento sindical unitário e a União de Sindicatos tem sido uma poderosa organização social, que defende no plano económico e social os interesses dos cerca de 225 mil trabalhadores da região. Dos quais, mais de 31,500 estão sindicalizados nos sindicatos unitários.

Na região identificamos a existência de cerca de 40 comissões e sub-comissões de trabalhadores com diferentes graus de cooperação com o movimento sindical unitário, que por dificuldades nossas exigem um maior acompanhamento.

Com a luta desenvolvida, mais de 3 mil trabalhadores com vínculo precário passaram a ter contrato de trabalho efectivo, como aconteceu na Autoeuropa, na Visteon, na Hanon, na Navigator e noutras empresas e serviços.

Ao lado das aspirações das populações estão as autarquias de maioria CDU, cujo exemplo, é demonstrado pelo projecto autárquico do PCP e o trabalho realizado na região.

Trabalho e resposta que os eleitos comunistas e seus aliados no quadro da CDU e o valoroso trabalho realizado ao longo de décadas ao serviço dos trabalhadores e das populações, devem ser reforçados e projectados para dar resposta aos problemas da Região.

Na região de Setúbal, a CDU foi a força mais votada nas eleições autárquicas de 2017, com maior número de presidências de Câmara Municipal (cinco) e de Juntas de Freguesia (22) e com o maior número de mandatos em Assembleias Municipais.

A perda da presidência das Câmaras Municipais de Alcochete, Almada e Barreiro, bem como de oito Juntas de Freguesia, é o aspecto negativo deste resultado.

Camaradas:

No âmbito do Centenário do Partido, a programação regional com um conjunto de temas a dinamizar nos concelhos e a programação própria das organizações que será construída será um contributo para o reforço do Partido. Na próxima sexta-feira inauguramos a Exposição do Partido em Almada.

Camaradas, sabemos que só com o reforço do Partido, criando as condições para que o colectivo o concretize, conseguiremos romper com a política de direita e caminhar para a concretização de uma política patriótica e de esquerda, por uma democracia avançada com os valores de Abril no futuro de Portugal, pelo socialismo e o comunismo.

Viva o XXI Congresso.
Viva a JCP.
Viva o Partido Comunista Português.

>
  • Intervenções
  • XXI Congresso
  • XXI Congresso do PCP