Intervenção de Diana Couto, Membro do Executivo da Direcção da Organização Regional do Porto do PCP , XX Congresso do PCP

Organização Regional do Porto

Ver vídeo

''

Camaradas e amigos,

A situação social e económica do distrito do Porto nos últimos quatro anos espelha as consequências daquele que foi o período caracterizado pelo maior acerto de contas com as conquistas de Abril!

Já em finais de 2014 os indicadores davam conta da trágica dimensão social das políticas de direita: uma média salarial 188€ inferior à média nacional; dezenas de serviços públicos encerrados e 140 freguesias extintas; cerca de 200 mil utentes sem médico de família; mais de 100 mil crianças sem abono de família, dezenas de milhares de idosos e de crianças a viver abaixo do limiar da pobreza; mais de 200 escolas encerradas. Actualmente continua a ser o distrito com mais beneficiários do RSI e mais de 60% dos inscritos nos centros de emprego não recebem qualquer prestação de desemprego.

Com papel activo e empenhado dos comunistas, a luta foi vigorosa, criou entraves e limitações à ofensiva do grande capital e do Governo ao seu serviço.
Assumiu particular destaque a luta dos trabalhadores e a acção do Movimento sindical unitário, com grandes acções de convergência como as manifestações do 25 de Abril, do 1º de Maio e a manifestação de 19 Outubro de 2013 que encheu as ruas entre a Ponte do Infante e a Avenida dos Aliados. Mas também com muitas acções ao nível das empresas e locais de trabalho dos diversos sectores de actividade como aconteceu na STCP, no sector ferroviário, na Petrogal, nos CTT, na RTP, na Efacec, na Soares da Costa, da GroundForce, nos Hotéis, nas Cantinas, nas Escolas, nos Hospitais e nas autarquias locais. Acções vigorosas de luta, que reclamando a demissão do Governo PSD/CDS e a mudança de políticas, afirmaram igualmente a importância, justeza e validade dos valores e conquistas de Abril.

Também os utentes e as populações se ergueram contra a ofensiva do governo PSD/CDS e lutaram contra a privatização dos CTT, em defesa do serviço público e contra o encerramento de várias repartições públicas, tribunais, Centros de Saúde e valências hospitalares, Escolas, Esquadras, pelos direitos dos moradores dos Bairros Sociais e contra a extinção de freguesias, e também em defesa da STCP e do Metro do Porto.

O conjunto da luta dos trabalhadores e da população foi determinante para o isolamento crescente do PSD/CDS e permitiram a sua derrota nas eleições legislativas de 2015, num contexto em que a CDU cresceu eleitoralmente em todos os 18 concelhos do distrito e elegeu o terceiro deputado, algo que não acontecia há cerca de 30 anos!

A nova fase da vida política nacional, permitiu interromper o mais duro ciclo de ataques às conquistas de Abril e não abrandou as lutas no distrito! Estas continuam a ter grande importância na força dada à exigência da reposição e conquistas de direitos, sejam as lutas na Administração Pública, as lutas pelos transportes públicos em defesa da STCP e do Metro, que tem continuado pela exigência de melhores serviços, pela urgente expansão do Metro e da STCP no distrito e pelo alargamento do Andante a toda a área metropolitana; a luta pela completa remoção dos resíduos perigosos de São Pedro da Cova, entre outras.
Nas empresas tiveram já nesta fase particular expressão as lutas na Petrogal, na Efacec, na Groz-Beckert, na Caetano Bus, na Fábrica Conserveira da Pinhais, nas superfícies comerciais, nas Cantinas, nos Hotéis, na Inapal Plásticos, na Portway, nas Águas do Porto, entre outras.

Intensificar, alargar e multiplicar a luta é fundamental para levar o mais longe possível a possibilidade de avanços no quadro actual, mas também para a elevação da consciência das massas para a necessidade de uma ruptura que perspective a construção da alternativa patriótica e de esquerda.

Camaradas,

A Organização Regional do Porto teve neste período de quatro anos uma intensa actividade partidária, com um grande estímulo às lutas reivindicativas, com reforço da ligação e intervenção do Partido junto dos trabalhadores e das populações e principalmente um papel activo na denúncia da política de direita, da chantagem e da ingerência externa e na afirmação de uma alternativa política, da política patriótica e de esquerda.

Destacaram-se entre as muitas das iniciativas partidárias realizadas, as iniciativas em torno do centenário de Álvaro Cunhal, designadamente a exposição na Alfandega, as comemorações dos 40 anos da revolução de Abril, os desfiles e marchas de protesto pela demissão do governo e pela política alternativa, as iniciativas de aniversário, particularmente os comícios de aniversário com a participação do Secretário-geral; as iniciativas de âmbito popular como a realização anual do Passeio das Mulheres CDU ou da Festa da Unidade.

A Organização Regional recrutou 547 camaradas desde o último congresso, 164 dos quais para as empresas, contribuindo para a criação ou reforço de células em importantes locais de trabalho como a Siderurgia Nacional, a Efacec, o Aeroporto ou os sectores da Hotelaria e das telecomunicações. Foi dada particular atenção à divulgação da imprensa partidária e reforço dos meios de propaganda e conseguidos avanços nas medidas de independência financeira da Organização. A campanha da Quinta do Cabo foi um êxito no distrito que contou com o empenho de centenas de amigos e camaradas na concretização da tarefa.

Exemplo de uma organização coesa e activa dentro dos princípios orgânicos é a preparação deste XX Congresso, que só na 3ª fase teve uma participação de mais de 1500 camaradas em 97 reuniões e iniciativas diferentes, elegendo 108 delegados efectivos e levando a cabo uma ampla discussão das Teses e do projecto de programa político, documentos que em todas as assembleias foram valorizados, tendo recebido a concordância do colectivo partidário.

As exigências que se colocam a um Partido Revolucionário são cada vez maiores, como as teses apontam, e o trabalho de organização é determinante para capacitar este grande colectivo partidário das condições que se lhe exigem para continuar a assumir o papel de vanguarda necessário à luta pelos Valores de Abril no futuro de Portugal!

Com os trabalhadores e o povo. Democracia e socialismo!

Viva o XX Congresso!
Viva a JCP
Viva o PCP

>
  • Intervenção
  • XX Congresso do PCP
  • PCP
  • Porto

Partilhar