Intervenção de Juan Valdés Figueroa, Membro do Departamento Internacional do Partido Comunista de Cuba, XX Congresso do PCP

Mensagem do Partido Comunista de Cuba

Ver vídeo

''

Caros camaradas,

Não podíamos começar esta mensagem que vos dirigimos sem referir a profunda consternação que sofremos, o povo cubano, os povos latino-americanos e os povos do mundo. “Cuba está de luto. Cuba está de luta!”.

A 25 de Novembro de 2016, aos 90 anos, desapareceu fisicamente um insigne comunista cubano, líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Alejandro Castro Ruz, o nosso Comandante em Chefe, que foi Primeiro Secretário do Comité Central do Partido Comunista de Cuba e que foi amado pelos povos e odiado pelas elites imperialistas. Fidel desapareceu fisicamente. Espiritualmente continua entre nós. “Eu sou Fidel!”, exclamaram uma e outra vez um milhão de cubanas e cubanos na Praça da Revolução no passado dia 29 de Novembro.

Queremos agradecer as sinceras mostras de solidariedade expressas nesta tribuna do XX Congresso pelo camarada Jerónimo de Sousa e em várias das intervenções de camaradas portugueses e delegações assistentes.

Quantas vezes as transnacionais imperialistas da informação tentaram denegrir Fidel? E porquê? E como poderão agora explicar que o povo cubano e os povos do mundo o choram? É que Fidel morreu, mas segue vivo. Fidel representa o objectivo da luta dos povos. Fidel está na alma dos humildes do mundo. Perante Fidel não houve indiferença. Amaram-no apaixonadamente os povos. Fidel teve a imensa honra de provocar o ódio dos egoístas, dos mesquinhos, dos medíocres, dos oportunistas, dos imperialistas e dos seus lacaios.

Já é um facto que Fidel, um comunista, ficou inscrito entre as mais proeminentes personalidades do século XX e de inícios do século XXI, tendo exercido uma transcendental influência nos acontecimentos mundiais, sempre pela libertação dos povos e pela construção, com a sua teoria e práticas revolucionárias, de um projecto de um mundo melhor, solidário, contrário à opressão do capital e pelos pobres do mundo, dos chamados “perdedores” para convertê-los em vencedores, erigindo-se no cavaleiro de lança e espada de ideias para cambiar o mundo e fazê-lo melhor.

Fidel Castro morreu só fisicamente e está multiplicado em muitos homens e mulheres do mundo que continuarão a sua luta contra a opressão, a libertação nacional, a educação a cultura, a prosperidade, o socialismo e uma nova ordem mundial de paz, desenvolvimento e justiça social.

Honra-nos profundamente o privilégio de expressar a mais calorosa e fraterna saudação do Partido Comunista de Cuba ao XX Congresso do Partido Comunista Português e desejar à direcção do Partido, aos delegados participantes e a todos os militantes portugueses os nossos mais sinceros votos de êxito neste magno evento, o qual terá, seguramente, uma grande transcendência histórica e profundo significado político para o povo português e para o movimento comunista internacional.

A história surpreende-nos novamente com situações extraordinariamente alarmantes. Enquanto os povos avistam um futuro incerto, sofrem o continuo agravamento da sua situação social numa crise que não se vai e que deixou de ser notícia porque realmente o que acontece é um grave aprofundamento da crise estrutural do capitalismo.

O pano de fundo da crise mundial é a perigosíssima escalada de conflitos e guerras que são apresentadas de forma distorcida pelos médios transnacionais da informação, para garantir que a oligarquia financeira mantenha o seu poder global. O despotismo e a avareza imperialista são devastadores para a humanidade, ao mesmo tempo, engendram as maiores monstruosidades, que só o capitalismo é capaz de gerar: a xenofobia, o racismo, a exclusão social, o terrorismo, o ódio contra o imigrante, a aversão contra a diversidade étnica e religiosa e muitas mais, até que o fascismo repugnante regurgite do passado, como se o ciclo da história pudesse repetir-se porque a humanidade nunca chegou a aprender bem a lição.

O incerto panorama mundial clama à unidade e actuação do movimento comunista internacional para enfrentar os temíveis desafios.

Na América-Latina o imperialismo leva a cabo uma contra-ofensiva em todas as frentes, com o apoio das oligarquias nacionais, tentando desestabilizar e fazer retroceder os importantes processos democráticos, progressistas e anti-imperialistas que ali têm lugar, tentando ao mesmo tempo minar a cooperação e a integração dos países da região.

Quero partilhar convosco, alguns dos aspectos fundamentais debatidos pelo nosso VII Congresso, realizado em Havana de 16 a 19 de Abril do presente ano. O evento mais importante dos comunistas cubanos analisou aspectos fundamentais do desenvolvimento do país e ratificou que o socialismo próspero e sustentável a que aspiramos se fundamenta na base ideológica do marxismo-leninismo, no ideário do nosso herói nacional José Martí e do líder da revolução Cubana, companheiro Fidel Castro.

O socialismo cubano constrói-se tendo em conta as nossas especificidades nacionais, as nossas conquistas sociais, as tradições de luta e a vocação internacionalista do nosso povo, com a convicção firme de que o capitalismo carece de futuro e não é uma alternativa sócio-económica válida para o desenvolvimento da nação cubana e a defesa da sua soberania.

O VII Congresso dos comunistas cubanos aprovou documentos e políticas determinantes para o futuro do nosso país e do nosso projecto social. Como continuidade do processo de transformações económicas que vivemos em Cuba e do trabalho que vem realizando o Partido para construir um modelo socioeconómico que se ajuste às nossas actuais necessidades e realidades, elaborámos as bases de um plano de desenvolvimento até o ano 2030 e uma conceptualização do modelo económico e social de desenvolvimento socialista que levamos à prática.

Esse projecto de conceptualização expressa sinteticamente os princípios do nosso socialismo, sustentado nas plenas igualdade, dignidade e liberdade do ser humano e tem os seus antecedentes nos mais de cinquenta anos de construção do Socialismo em Cuba, com os seus acertos e desacertos, assim como também na experiência histórica de outros processos de desenvolvimento socialistas exitosos, e não exitosos, os que, mesmo em diferentes dimensões, tem sido objecto do nosso estúdio.

Cuba vive e desenvolve-se interagindo com um mundo também complexo e contraditório. Não ignoramos que a nova conjuntura internacional cria-nos novos desafios e que poderosas forças externas apostam em gerar os chamados agentes de mudança para tentar, a partir de dentro, a destruição da Revolução e do socialismo em Cuba mediante uma combinação de bloqueio externo dos Estados Unidos contra Cuba, o que se mantêm, e de subversão interna, o que nos impõe a necessidade de aprofundar e aperfeiçoar o trabalho político-ideológico incrementando o uso das tecnologias e redes sociais.

A Revolução Cubana continuará a ser internacionalista e apoiamos decididamente aos nossos aliados de luta. Denunciamos os que promovem os golpes de estado parlamentares, as guerras económicas, as campanhas mediáticas e desinformativas contra os processos populares, no mundo e na nossa região latino-americana.

Não há uma receita única para travar e reverter a contra-ofensiva do imperialismo e das oligarquias nacionais, mas há princípios que devem ser observados pelas forças progressistas do continente, sendo os fundamentais a unidade na acção e o apego à defesa dos direitos dos explorados.

Hoje é mais necessária que nunca a mobilização contra as tentativas da direita de reverter as conquistas sociais alcançadas na América latina. Estamos certos que o chamado “regresso” do neoliberalismo é frágil e possível de reverter. Os povos da região conheceram uma alternativa diferente, ainda perfeccionável, mas seguramente muito melhor que a opção da direita pro-imperialista.

Os partidos comunistas e operários temos de estar à frente desta alternativa emancipadora e de ser exemplos na luta pela procura da unidade das forças revolucionárias.

O contributo fundamental do Partido Comunista de Cuba será a renovação e desenvolvimento de um socialismo forte e inclusivo, que constitua uma opção alcançável para os oprimidos do mundo.

Caros camaradas, uma vez mais queremos agradecer o acolhimento e as atenções brindadas pelo Partido Comunista Português que, com uma impressionante organização, tem preparado a celebração com sucesso do seu XX Congresso e lhes reiteramos a nossa vontade de continuar desenvolvendo vínculos cada vez mais estreitos para construir um futuro promissor para os nossos povos.

Viva o PCP!
Viva o PCC!
Viva Fidel!

Muito obrigado.

>
  • XX Congresso do PCP

Partilhar