Intervenção de Ilda Figueiredo, Membro do Comité Central do PCP, XX Congresso do PCP

A luta e a unidade anti-imperialista. A luta pela paz

Ver vídeo

''

Queridos Camaradas, estimados amigos,

Vivemos um momento internacional particularmente complexo marcado pelo aprofundamento da crise estrutural do capitalismo em que o imperialismo intensifica a sua ofensiva violenta e multifacetada, com o agravamento da insegurança e instabilidade da situação na Europa e no Mundo, em resultado da escalada militarista e agressiva promovida pelos Estados Unidos, pela NATO, pelas grandes potências da União Europeia e seus aliados que continuam a pôr em prática políticas e medidas, atentando contra os povos e os Estados que afirmem os seus direitos, soberania e independência.

As conclusões das cimeiras da NATO confirmam e intensificam o seu avanço até às fronteiras da Federação Russa, particularmente após o golpe de estado e a fascização crescente da Ucrânia, pretendendo reforçar ainda mais a sua presença nos países bálticos e aprofundando parcerias, ou mesmo a integração de diversos países próximos, promovendo a corrida a novos e mais sofisticados armamentos, prosseguindo também a instalação de mais componentes do sistema ofensivo anti-míssil dos EUA em vários países da Europa e na Ásia, o que representa uma séria ameaça ao equilíbrio nuclear tanto mais grave quanto os EUA insistem no seu conceito de «primeiro ataque» inclusive com armas nucleares.

A ofensiva dos EUA e da NATO é a grande ameaça que hoje os povos enfrentam, assumindo particular importância a situação no Médio Oriente, onde os EUA com apoio de Israel e outros aliados, prossegue a agressão à Síria, ao Iraque, ao Iémen. Esta deriva militarista e agressiva da NATO, comandada pelos Estados Unidos, encerra o perigo do desencadeamento de uma escalada de conflitos que levem ao deflagrar de um confronto de grandes e incalculáveis consequências para a Humanidade.

Mas os povos lutam e resistem, como na Palestina ou na Síria onde o seu povo protagoniza uma firme e corajosa resistência patriótica.

Também os povos da América Latina e das Caraíbas continuam a lutar contra a ofensiva imperialista dos EUA aliada a oligarquias nacionais, de que é significativo exemplo o golpe no Brasil, procurando reverter os processos de afirmação soberana e de sentido progressista que ali têm tido lugar, como acontece também na Venezuela, na Bolívia, no Equador, na Nicarágua, para além de Cuba que, conquistando a libertação dos cinco patriotas cubanos nos EUA, continua a luta contra o bloqueio dos Estados Unidos e pela devolução do território de Guantánamo.

O fortalecimento da luta contra a guerra e o militarismo, pela paz e a solidariedade com os povos vítimas da ingerência e agressão imperialista coloca-se como uma das grandes exigências da actualidade, como também ficou claro na Assembleia Mundial da Paz, recentemente realizada no Brasil.

O reforço da frente anti-imperialista é um desafio e uma necessidade urgente do nosso tempo. Os imensos riscos que a actual situação internacional comporta, contém também possibilidades que obrigam a uma ainda maior e mais alargada acção em prol da paz, do desarmamento, da solidariedade, do respeito pela soberania e independência dos Estados, pela resolução pacífico dos conflitos internacionais, pelo respeito pelo direito à autodeterminação dos povos – princípios inscritos na Carta das Nações Unidas.

Mais do que em qualquer outro momento da história recente, é hoje particularmente actual e premente que se reforce o diálogo entre as forças progressistas e anti-imperialistas. Como se refere nas teses apresentadas ao nosso Congresso, os comunistas têm particular responsabilidade mas também uma experiência e património único na construção das alianças sociais e políticas que possam travar os objectivos do imperialismo no plano nacional e internacional.

Consideramos de particular importância o desenvolvimento da cooperação dos partidos comunistas com outras forças democráticas, progressistas e anti-imperialistas, contribuindo, com a afirmação dos seus objectivos próprios e sem diluição da sua identidade, para o intercâmbio de experiências e para a unidade na acção, visando a concretização de tarefas e objectivos de luta imediatos.

Por isso, o PCP empenha-se na solidariedade internacionalista, na cooperação e convergência com as forças políticas e sociais que, nos respectivos países, lutam em defesa dos interesses dos trabalhadores e dos povos e no alargamento e maior expressão da frente anti-imperialista que trave a ofensiva do imperialismo e abra caminho à construção de uma nova ordem internacional, de paz, soberania e progresso social.

>
  • Intervenção
  • XX Congresso do PCP
  • Central
  • Paz
Intervenção
XX Congresso do PCP

Partilhar