Sobre Detenções arbitrárias em massa de uigures e cazaques na Região Autónoma Uigur de Xinjiang

A resolução do PE - baseada em alegações, dados por confirmar, ou informações de entidades tão parciais como a Comissão Executiva do Congresso Norte Americano - que aponta como alvo a China, alinha-se com a estratégia dos EUA, e da União Europeia e suas principais potências, de afronta aos povos e países que defendem e afirmam a sua soberania, direito ao desenvolvimento e independência.

Uma resolução que assume a forma sobranceira de quem inaceitavelmente se arroga em intervir e se ingerir em países terceiros.

Uma resolução hipócrita dos que, arvorando-se arautos defensores dos direitos humanos, os manipulam e espezinham nas agressões e guerras que promovem – nomeadamente no Médio Oriente e Norte de África –, branqueando, alimentando e instrumentalizando as hordas terroristas que cinicamente dizem combater.

A União Europeia e este Parlamento não têm legitimidade para dar lições sobre direitos humanos.

O desenvolvimento económico e social da República Popular da China e a sua projecção e papel ao nível mundial e nas relações económicas e políticas internacionais, tornam-na no principal alvo estratégico do imperialismo – é essa a real razão desta resolução e debate.

>
  • União Europeia
  • Intervenções
  • Parlamento Europeu

Partilhar