Posições Políticas

Entrevista de Álvaro Cunhal a «O Jornal»

Diversos sectores, incluindo muitas formações políticas, desde o CDS e o PPD a outras de extrema‑esquerda ou esquerdistas, têm apontado o PCP como um dos principais responsáveis pelo golpe de 25 de Novembro e praticamente de modo unânime tem‑se salientado que pelo menos algumas suas células e alguns quadros intermédios (nas Forças Armadas, na Rádio e na TV, de certas comissões d

Uma curva difícil e perigosa

A revolução portuguesa passa uma curva difícil e perigosa. A pesada derrota das forças da esquerda militar reflectir-se-á sem dúvida, nos tempos mais próximos, no enfraquecimento das forças revolucionárias e do movimento popular. A viragem à direita PS-PPD apoiada por círculos dos mais reaccionários e conservadores tende a adquirir agora uma base de força militar mais favorável.

Por uma solução política da crise

Alguns sectores políticos, assim como jornais do Norte e jornais estrangeiros estão lançando uma campanha contra o PCP em tomo das recentes sublevações militares.

Ao mesmo tempo que sectores esquerdistas acusam o PCP de não ter querido participar no golpe, sectores reaccionários acusam o PCP de ter preparado e participado no «golpe para a conquista do poder».

Determinação e confiança

1. Os acontecimentos dos últimos dias representam uma pesada derrota das forças da esquerda militar e das forças revolucionárias no seu conjunto e um avanço das forças da reacção, que tomam fortes posições no aparelho militar e no sistema do poder.

O perigo é real e imediato para a jovem democracia Instaurada com o 25 de Abril.

Sobre a situação política

1. A situação política e militar degrada-se hora a hora. O pais corre o risco de ser mergulhado em confrontos sangrentos entre forças e sectores que têm estado com o processo revolucionário. Tais confrontos só podem aproveitar à reacção e facilitar a instauração duma mova ditadura.

Sobre a actual situação política

1. A constituição do VI Governo Provisório foi precedida de discussões políticas que conduziram a uma plataforma governamental. O PCP considerou que esta plataforma era aceitável e que alguns dos seus pontos permitiam a realização duma política progressista.

Sobre o comunicado do Governo, de 9 de Outubro

1. A Comissão Política do Comité Central do Partido Comunista Portugueses tomou conhecimento do comunicado do governo, aprovado na sessão do dia 9.

O PCP diverge radicalmente das apreciações feitas neste comunicado acerca da situação actual e dos últimos acontecimentos, designadamente dos incidentes no Porto.

Intervenção de Álvaro Cunhal na Sessão de esclarecimento em Moscavide

O nosso Partido considera que a crise que a Revolução portuguesa atravessa é uma crise profunda e perigosa. Esta crise atingiu praticamente todos os sectores da vida nacional.