Nota do Gabinete de Imprensa do PCP

"Pela Paz! Não à NATO!" (actualizada 1)

Por iniciativa do Partido Comunista Português e por ocasião dos 65 anos da criação da NATO, Partidos Comunistas e Operários de todos os continentes tornaram hoje pública uma posição comum “Pela Paz! Não à NATO!” que alerta para os grandes perigos que a NATO representa para a paz no mundo e em que se apela ao desenvolvimento da luta pela paz, contra a corrida aos armamentos, pelo fim das agressões e ingerências do imperialismo e pela dissolução da NATO.

Até ao dia de hoje (sendo que as subscrições prosseguem) cerca de 50 Partidos Comunistas e Operários de todos os continentes já subscreveram a posição comum cujo conteúdo, bem como a lista dos partidos subscritores até ao momento, abaixo se reproduz.

«Pela Paz! Não à NATO!

Desde a sua criação, há 65 anos, a NATO surge como o bloco político-militar do imperialismo, uma peça central da sua estratégia de domínio e exploração e de confronto com a então URSS e os países socialistas.

A NATO é responsável pela incessante corrida aos armamentos, sendo os EUA e seus aliados responsáveis por mais de dois terços das despesas militares no mundo.

Os EUA e países da NATO promovem a expansão da sua rede mundial de bases militares, procurando alargar as suas zonas de influência.

Proclamando o seu conceito estratégico abertamente ofensivo, a NATO ampliou o âmbito territorial das suas acções de ingerência, de agressão e ocupação, para aprofundar o seu papel como braço armado dos grandes monopólios transnacionais.

Os EUA e seus aliados da NATO são responsáveis por inúmeros crimes e destruições, por brutais agressões – como à Jugoslávia, ao Afeganistão, ao Iraque ou à Líbia – e ingerências – como as provocadas contra a Síria –, ou ameaças – como as dirigidas contra o Irão.

Os EUA, a NATO e a União Europeia – o seu pilar europeu –, são responsáveis pela crescente militarização das relações internacionais e pela promoção da escalada de tensão e de guerra contra a soberania dos povos e a independência dos Estados, seja no Médio Oriente, em África, no Extremo Oriente ou na América Latina.

No momento em se assinalam os 65 anos da criação da NATO – numa situação internacional marcada pela crise do capitalismo, pela ofensiva exploradora, anti-democrática e agressiva do imperialismo, por complexos processos de rearrumação de forças no plano internacional, e pela resistência e luta dos trabalhadores e dos povos:

- Exigimos a dissolução da NATO e apoiamos o direito soberano dos povos de decidir da desvinculação dos seus países desta aliança agressiva;
- Reafirmamos a nossa oposição ao alargamento da NATO, à militarização da União Europeia e à sua política militarista e intervencionista;
- Exigimos o fim da corrida aos armamentos, da instalação do novo “sistema anti-míssil” dos EUA e da NATO na Europa, o desarmamento nuclear, a completa destruição das armas de destruição massiva e o fim das bases militares estrangeiras;
- Exigimos a retirada imediata de todas as tropas do Afeganistão e demais países sob agressão imperialista;
- Reafirmamos a nossa solidariedade aos povos que resistem às ocupações, agressões e ingerências do imperialismo;
- Apelamos aos trabalhadores e aos povos de todo o mundo para que reforcem a luta pela paz, contra a guerra e a NATO, pela construção de um futuro de paz, progresso e justiça social, onde cada povo possa decidir livremente do seu destino.»

Subscritores até ao momento:

Partido Comunista Sul Africano
Partido Comunista Alemão
Partido Argelino para a Democracia e o Socialismo, Argélia
Partido Comunista da Bélgica
Partido do Trabalho da Bélgica
Partido Comunista do Bangladesh
Partido dos Trabalhadores do Bangladesh
Partido Comunista dos Trabalhadores da Bósnia Herzegovina
Partido Comunista do Brasil
Partido Comunista Britânico
Novo Partido Comunista Britânico
Partido Comunista do Canadá
Partido Comunista da Boémia e Morávia, República Checa
Partido Comunista do Chile
Partido Progressista do Povo Trabalhador, Chipre
Partido Socialista dos Trabalhadores da Croácia
Partido Comunista da Dinamarca
Partido Comunista na Dinamarca
Partido Comunista de Espanha
Partido Comunista dos Povos de Espanha
Partido dos Comunistas da Catalunha
Partido Comunista dos EUA
Partido Comunista da Filipinas – 1930
Partido Comunista da Finlândia
Partido Comunista Francês
Partido Comunista da Grécia
Partido Comunista Unificado da Geórgia
Novo Partido Comunista da Holanda
Partido dos Trabalhadores da Hungria
Partido Comunista da Índia
Partido Comunista da Índia (Marxista)
Partido do Povo do Irão
Partido Comunista da Irlanda
Partido Comunista de Israel
Partido dos Comunistas Italianos
Novo Partido Comunista da Jugoslávia
Partido Comunista Libanês
Partido Comunista Luxemburguês
Partido Comunista de México
Partido Popular Socialista, México
Partido Comunista Palestiniano
Partido do Povo do Panamá
Partido Comunista do Paqistão
Partido Comunista Peruano
Partido Comunista Português
Partido Comunista da Federação Russa
Partido Comunista Sírio
Partido Comunista Sudanês
Partido Comunista da Suécia
Partido Comunista da Turquia
Partido Comunista do Uruguai
Partido Comunista da Venezuela

E ainda:
Pólo de Renascença Comunista de França
União do Povo Galego
Partido Comunista Dinamarquês
União dos Comunistas Revolucionários de França

>
  • Central
  • Declarações / Apelos Conjuntos

Partilhar