Intervenção de Vasco Lino, Membro da Direcção da Organização Regional de Viseu do PCP, XIX Congresso do PCP

Organização Regional de Viseu

Organização Regional de Viseu

Na Organização Regional de Viseu, as propostas apresentadas pela Direcção do Partido para discussão, mereceram um apoio generalizado.

Como no País, também no Distrito de Viseu, o Partido não se limita a enumerar as políticas erradas que condenaram a região ao atraso e à desertificação. Analisamos as potencialidades económicas e culturais e fazemos propostas coerentes e válidas para sair deste marasmo, defendendo a implementação de um plano integrado de desenvolvimento regional.

A par da significativa adesão registada no Distrito às recentes greves gerais, os trabalhadores e outras camadas da população desenvolveram importantes lutas em defesa do Serviço Nacional de Saúde, contra o encerramento dos Serviços de Atendimento Permanente e por mais médicos, enfermeiros e pessoal auxiliar.

Pela persistência, grande expressão de rua e impacto público a luta contra as portagens na A24 e A25 merece um particular destaque. Três marchas-lentas na A25 com centenas de carros e camiões, três buzinões que paralisaram a parte central da cidade de Viseu, são um exemplo de combatividade e adesão popular, a mostrar que esta é uma luta justa e que vai continuar.

Destaque merece ainda a luta vitoriosa dos ex-mineiros da ENU pela antecipação da idade da reforma, para cujo êxito o PCP deu um forte contributo.

Na ordem do dia está igualmente a luta em defesa das Freguesias contra a proposta do governo PSD/CDS-PP, tal como a luta contra o encerramento dos Tribunais, das Repartições de Finanças, dos balcões dos Correios e da 0Segurança Social. Medidas que, se não forem derrotadas, lançarão o Distrito numa irreversível desertificação.

No distrito de Viseu, na frente de luta eleitoral, os resultados da CDU nas cinco eleições realizadas desde o último Congresso, representaram importantes avanços.

Fruto das orientações do XVIII Congresso, na organização Regional de Viseu aprofundou-se um ambiente de dinamismo e de compreensão relativamente às questões do recrutamento, do rejuvenescimento, da ligação do Partido às massas, às empresas e locais de trabalho e de intervenção e luta, que caminha a par com o crescimento significativo da organização e a pronta intervenção política.

No capítulo do reforço da organização e estruturação do Partido, devemos destacar a concretização de 12 Assembleias de Organização em 2010, envolvendo 17 Organizações Concelhias, e a concretização das VIII e da IX Assembleia da Organização Regional de Viseu.

Entre Janeiro de 2009 e Outubro de 2012, recrutamos 235 camaradas. Actualmente, cerca de 60% da nossa organização tem menos de 10 anos de Partido. Este é um rumo que queremos prosseguir. Recrutar para aumentar a capacidade de intervenção. Intervir para elevar o nível de recrutamento e de organização.

Mas subsistem dificuldades. A compreensão dos militantes pelo pagamento da quota ao Partido e da importância desta para financiar toda a actividade desenvolvida, são aspectos que urge aprofundar em cada momento, em cada organismo, com cada camarada.

Tal como a necessidade vital de criar organização e de ligar o Partido às empresas, particularmente as que têm um peso significativo de mão-de-obra.

Construir para Portugal um futuro de desenvolvimento, de democracia avançada e de progresso social, tendo o Socialismo e o Comunismo como horizonte, é o desafio que as organizações do Partido, também em Viseu, estão empenhadas em vencer.

Viva o Partido Comunista Português!

>
  • XIX Congresso do PCP