Intervenção de João Frazão, membro da Comissão Política do Comité Central, Encontro Nacional do PCP sobre as eleições autárquicas

Mais candidaturas, mais presença e influência

Ver vídeo

''

Camaradas e amigos,
A Resolução Política aprovada no XX Congresso do Partido afirma que “concorrer no âmbito da CDU sob o lema «Trabalho, Honestidade e Competência» a todos os órgãos municipais e ao maior número possível de freguesias”, constitui um dos principais objectivos para as eleições autárquicas.

Esta afirmação revela um elemento da maior importância. As eleições autárquicas não são apenas resultados eleitorais, são um processo e uma acção de massas, que já começou, de contacto com milhares de homens e mulheres do Partido, do PEV, da Intervenção Democrática, da JCP, da Ecolojovem, mas também e fundamentalmente, de homens e mulheres sem Partido, homens e mulheres da luta nas empresas pelos direitos de quem trabalha, nas colectividades em defesa do direito ao desporto, à cultura, ao lazer e ao bem estar, nos bairros, por melhores condições de vida, nas comissões de utentes pelo direito aos serviços públicos, nas escolas em defesa da Escola Pública Gratuita e de qualidade.

As eleições autárquicas são, pois, parte do processo de luta em que nos encontramos e queremos que tenha expressão em Outubro.

Esta é também uma das razões para alargar o número de listas a Assembleias de Freguesia. Para que todas as lutas, todos os protestos, todas as reclamações tenham voz nas próximas eleições, e para que cada um possa ter nas eleições autárquicas a possibilidade de levar a sua luta até ao voto, pelo apoio e pelo voto na CDU.

Muito para lá do número de eleitos que resultará para a CDU destas eleições autárquicas elas valem pela força que as populações derem ao PCP e à CDU para continuar a luta. Pela confiança que afirmarem ter nos principais rostos da luta que são, na maior parte das vezes os rostos da CDU. Pelo estímulo que esses resultados transmitam para que se prossiga a intervenção em defesa do arranjo da rua, da construção do Jardim de Infância, da exigência do alargamento das carreiras de transporte público, da colocação de mais médicos no Centro de Saúde, de defesa da água pública, da reposição da Freguesia roubada ao povo.
Concorrer a todos os órgãos municipais e assegurar mais listas a Assembleias de Freguesia é, de facto, alargar o apoio e a influência da CDU. Lá onde existem militantes comunistas ou apoiantes da CDU mais ou menos isolados na freguesia, a dinamização de uma lista cumpre múltiplas funções:

- A de se constituir num tempo de afirmação política e ideológica, de uma estrutura que, com mais ou menos força, não vira a cara à luta, não se amedronta com as dificuldades, não soçobra perante os obstáculos, mesmo que pareçam à partida intransponíveis;

Sabemos que isso, em certas localidades do país é hoje, de novo, um risco e uma aventura. Os laços de dependência económica e social, a influência caciqueira de certas personalidades, as ameaças e chantagens mais ou menos veladas, colocam muitos daqueles com quem vamos conversar para estarem connosco perante o dilema de quererem vir para o combate com a CDU, mas terem o receio de dar esse passo. Muitos deles darão o passo e correrão o risco;

- A de garantir que o processo de contacto com vizinhos, com amigos, com familiares, com colegas é já um meio de afirmação do projecto, dos valores, e uma jornada de alargamento da CDU, ainda que o resultado final possa não ser a concretização de uma lista;

- A de assegurar a todos as razões para sair de casa no dia das eleições, o direito a exercerem o seu voto, contribuindo para a resolução dos problemas da sua terra.

- A de criar as condições para que, no plano da freguesia, se dinamize a campanha eleitoral fazendo convergir as forças, as energias, a criatividade e a dinâmica dos candidatos das freguesias para uma acção de proximidade com os eleitores, que contribua para melhores resultados municipais;

- A de alargar a ligação às massas das organizações do Partido, assegurando um maior conhecimento das realidades e até potenciando a dinamização de iniciativas em torno de problemas concretos que se conheçam a partir dessas listas.

Não menos importante, assegurar mais listas para as Assembleias de Freguesia, o que exige uma atitude mais ousada de contactos para trazer à actividade inúmeros activistas, cidadãos e personalidades disponíveis para trabalhar e lutar pela dignificação das condições de vida das populações, é, por todas as formas, alargar o espaço dos que apoiam a CDU em todos os órgãos autárquicos. Registe-se que em 2013, a CDU, tendo concorrido a 1733 Assembleias de Freguesias, teve, para esses órgãos, mais cerca de 40 mil votos do que teve para as Câmaras Municipais.

A apresentação de listas em todo o território assegura a dimensão nacional desta grande força, a CDU, que tem um projecto próprio, distintivo, que não se confunde, e não se pode diluir em quaisquer outros espaços de intervenção política.

A presença a sufrágio, o prestígio e provas dadas pelos candidatos a apresentar, a expressão e identificação do conjunto das listas com as aspirações das populações, são factores essenciais à credibilização do projecto da CDU e um vector determinante para imprimir dinâmica e confiança à intervenção eleitoral necessária à concretização dos objectivos definidos para cada autarquia.

Cada lista, cada candidato, é uma força, é uma alavanca para um grande resultado da CDU!

Por uma grande campanha de massas, por mais listas, maior presença e mais influência. Por um grande resultado da CDU!

Vamos ao trabalho.
Viva a CDU
Viva o PCP

>
  • Encontro Nacional do PCP sobre as eleições autárquicas 2017
  • Central