Intervenção de Diana Ferreira na Assembleia de República

Garantir que todos têm acesso ao atestado multiusos

Ver vídeo

''

Sr. Presidente,
Srs. Deputados,

São várias as situações que têm chegado ao Grupo Parlamentar do PCP sucessivos atrasos no cumprimento de prazos para a emissão do atestado médico de incapacidade multiuso – uma situação que não é nova, que é recorrente e que se agravou significativamente com o contexto do surto.

É, naturalmente, preciso resolver o problema de fundo que resulta continuadamente em demoras na marcação das juntas médicas e na emissão dos respectivos atestados, mas importa, neste momento, garantir uma solução imediata que responda às muitas situações que estão pendentes.

É que a ausência do atestado multiusos significa a impossibilidade de aceder a um conjunto de direitos, como acesso a prestações sociais (Prestação Social para a Inclusão), na aquisição de viatura própria, isenção de IUC, cartão de estacionamento para pessoas com mobilidade reduzida, produtos de apoio, isenção do pagamento de taxas moderadoras, entre outros.

O Grupo Parlamentar do PCP já havia questionado o Governo em diversos momentos, não tenho obtido respostas que esclarecessem efectivamente a situação, nem que apontassem soluções para assegurara que não há perda de direitos das pessoas com deficiência, com uma incapacidade superior a 60%.

Sabemos que o contexto da COVID-19 veio colocar exigências acrescidas a todos os profissionais de saúde, contudo, não pode tal circunstância e os atrasos decorrentes desta situação afectar de modo irreparável o direito às prestações sociais e a outros benefícios cuja concretização dependa da emissão do referido atestado.

Sabemos também que o artigo 5º do Decreto-lei nº 10-A/2020, tem previsto um modelo para garantir o funcionamento de, pelo menos, uma junta médica em cada agrupamento de centros de saúde ou unidade local de saúde, mas, face à realidade, tal resposta é manifestamente insuficiente.

Estas pessoas, estes cidadãos, além de confrontados com uma situação grave e incapacitante, têm limitações e impedimentos no acesso a um conjunto de direitos que não podem, em circunstância alguma, serem negados.

A actual resposta de emergência no âmbito da saúde pública que tem que continuar a ser garantida pelo tempo que for necessário, não pode colocar em causa esta importante resposta social, sendo indispensável, urgente e inadiável encontrar soluções para estes casos.

É neste sentido que o PCP apresenta esta iniciativa, propondo um regime transitório de emissão do atestado médico de incapacidade multiuso e a obtenção dos correspondentes benefícios sociais, económicos e fiscais previstos em lei.

Propomos:

• Que a emissão do atestado médico de incapacidade multiuso possa ser feita por um médico especialista, que tenha pelo menos a categoria de assistente no âmbito do SNS, a quem cabe atribuir o grau de incapacidade.

• Que seja instituído um procedimento especial e célere de emissão de atestado médico de incapacidade multiuso para os doentes oncológicos recém-diagnosticados, da responsabilidade do Hospital onde o diagnóstico foi realizado, sendo que os doentes oncológicos cujo diagnóstico tenha sido feito há mais tempo, beneficiem de igual modo do grau de incapacidade de 60%, até à realização de nova avaliação, garantindo-se, assim, que a pessoa com doença oncológica tem direito ao conjunto dos benefícios sociais, económicos e fiscais previstos na lei, sem necessidade de deslocação à junta médica.

• Propomos também que para os trabalhadores sinistrados que a fixação do respectivo grau de incapacidade resultante do processo de acidente de trabalho seja o bastante para a concessão dos benefícios sociais, económicos e fiscais.

Com esta solução o PCP responde a inúmeros problemas que têm chegado, garantindo que todas as pessoas têm acesso ao atestado multiusos e aos direitos associados.

Disse.

>
  • Saúde
  • Intervenções
  • saúde