Nota do Gabinete de Imprensa dos Deputados do PCP ao PE

Deputados do PCP condenam a inadmissível ingerência do Parlamento Europeu contra a Venezuela e o povo venezuelano

Os deputados do PCP no Parlamento Europeu repudiam veementemente a resolução hoje aprovada por uma maioria de deputados do PE que, num inaceitável exercício de ingerência, pretende "reconhecer" Juan Guaidó como pretenso "presidente interino" da República Bolivariana da Venezuela, apelando à União Europeia para que proceda de igual forma.

Os deputados do PCP no PE consideram grave o apoio dado pelos deputados do PS, PSD e do CDS-PP a uma resolução que não só não contribui para a normalização da situação da Venezuela, como é profundamente contrária aos interesses de Portugal e da comunidade portuguesa que vive naquele país.

A resolução, subscrita por deputados do PS, PSD e CDS-PP, insere-se e dá cobertura à operação golpista orquestrada e comandada pela Administração Trump e logo apoiada por governos do denominado "Grupo de Lima", como o de Bolsonaro, que pretende derrubar o legítimo Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, eleito pelo voto popular, e destruir a ordem constitucional da Venezuela.

Esta resolução, que contou com o voto contra dos deputados do PCP no PE, representa um grosseiro desprezo pela Constituição da República Bolivariana da Venezuela e pelos mais elementares princípios do Direito Internacional.

Trata-se de uma resolução que, dando cobertura à operação golpista em curso, se insere na estratégia de sistemática desestabilização, pressão, chantagem, bloqueio que tem vindo a ser promovida pela UE contra a República Bolivariana da Venezuela e o seu povo.

Uma resolução que, rejeitando os esforços e iniciativas para o diálogo – como a protagonizada pelo México e o Uruguai –, expõe os reais objectivos da maioria do Parlamento Europeu, ou seja, a promoção da desestabilização, o derrube do Presidente eleito Nicolás Maduro, o fim do processo bolivariano.

Recordamos que o Parlamento que agora aprova esta resolução é o mesmo que ainda recentemente "legitimou'" um processo eleitoral fraudulento nas Honduras ou apoiou as agressões à Líbia e à Síria.

Os deputados do PCP no PE sublinham que o Parlamento Europeu e a União Europeia não estão à margem da obrigação do pleno respeito de princípios do Direito Internacional, como o respeito pela soberania e independência dos Estados, designadamente do direito do povo venezuelano a decidir do seu futuro, livre de ingerências externas.

Os deputados do PCP no PE reafirmam a sua solidariedade às forças progressistas e ao povo da Venezuela.

>
  • União Europeia
  • Notas de Imprensa
  • Venezuela

Partilhar