Intervenção de Nuno Cruz, Membro da Organização Regional de Vila Real, XXI Congresso do PCP

Organização Regional de Vila Real

Ver vídeo

''

Camaradas,
Em nome da Organização Regional de Vila Real saúdo a realização do XXI Congresso pelo sentido de responsabilidade que o norteia, pelas condições criadas ao respeito pelas normas e regras sanitárias, pelo exemplo que dá ao povo e ao país, de defesa do regime democrático exercendo direitos fundamentais e assim melhor os preservando, mas essencialmente pelo contributo que dá à luta dos trabalhadores e do povo por uma vida melhor.

O distrito de Vila Real é um exemplo concreto das potencialidades que a luta dos trabalhadores e a intervenção do PCP têm na conquista de avanços, mesmo que insuficientes e limitados pelas opções do Governo minoritário do PS.

Se é verdade que foi possível aumentar os rendimentos mais baixos, salários, pensões e reformas, recuperar nos níveis de desemprego, repor a Casa do Douro como entidade pública e de inscrição obrigatória, repor a lei dos baldios, aprovar um Estatuto para a Agricultura Familiar e estancar o encerramento de serviços públicos, também é verdade que o grave défice demográfico e falta de apoio à infância e à velhice, o caracter estrutural do desemprego na região, a sangria de pessoas pela falta de condições para lá viver e trabalhar, os injustos preços pagos à produção nos diferentes sectores de actividade e a ausência de respostas públicas e estruturadas, continuam a marcar negativamente esta região, impedindo o combate a assimetrias regionais e a contribuição, por via das suas gentes e das potencialidades, para o desenvolvimento do País.

Não é pobre a região onde os comunistas transmontanos lutam e agem, é sim uma região empobrecida pela política de sucessivos governos. Nem tão pouco requer um estatuto de interioridade, esse argumento que serve para branquear as responsabilidades de PS, PSD e CDS. Requer sim o cumprimento da Constituição e a concretização de uma politica alternativa, patriótica e de esquerda.

Camaradas,
No período que decorre desde o último congresso, a Organização Regional foi chamada a intervir e agir, e podemos afirmar que o Partido cumpriu o seu papel.

Não porque nos recusamos a reconhecer as debilidades da organização do Partido no distrito, mas porque a partir delas procuramos o caminho para a sua superação.

Não negamos os baixos níveis de recrutamento, mas não deixamos de identificar e concretizar, a partir da campanha dos 5000 contactos com trabalhadores, novos membros do partido.

Não negamos a importância de mais quadros funcionários como elemento determinante ao desenvolvimento da organização, mas criamos as condições para a sua funcionalização que importa consolidar.

Não negamos as debilidades de estruturação do nosso trabalho, mas também não deixamos de responsabilizar mais quadros por tarefas de caracter permanente e avançar com a concretização de planos de trabalho para constituição de células de empresa na Continental e o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Não negamos a necessidade de reforço da influência politica e social do Partido da Região, mas envidamos esforços na dinamização da luta em torno da defesa da gestão pública da água e da defesa do SNS, como no passado dia 17 de Novembro.

Camaradas,
A situação do País exige um PCP forte e unido em torno da sua acção. Este Congresso confirma-o e traduz também o ambiente na Organização Regional de Vila Real, que se reflecte no normal funcionamento dos organismos e na mobilização para a luta e para a intervenção do Partido.

Mãos à obra camaradas!

Viva o XXI Congresso do PCP
Viva o Partido Comunista Português!

>
  • Intervenções
  • XXI Congresso
  • Central
  • XXI Congresso do PCP