Intervenção de Alma Rivera, Membro do Comité Central, XXI Congresso do PCP

Por uma verdadeira política desportiva

Ver vídeo

''

Camaradas

Inscrito na Constituição como um direito, importante componente da formação integral do indivíduo, a actividade física e o desporto que com Abril se concretizou na consigna “desporto para todos” está hoje cada vez mais distante da realidade.

A direita não gosta do desporto de massas. A actividade física e a prática desportiva transformaram-se num grande negócio. Aí está a sua mercantilização e daí decorre o desprezo pelo movimento associativo popular e pelos clubes, a destruição da componente colectiva e participativa do desporto; e a exacerbação da cultura física, enquanto corolário do individualismo e como mais um mercado em expansão.

Por outro lado, os ritmos de trabalho e a degradação das condições de vida aumentam as dificuldades para a prática desportiva, sobretudo em grupo.

Uma grande parte da actividade desportiva é promovida no nosso Pais pelas associações desportivas e clubes de base local, que no entanto se confrontam com dificuldades ao nível financeiro que a COVID extremou.

O associativismo desportivo e o desporto federado contam com pouco financiamento público e quase exclusivamente das autarquias, mas crescem-lhes os encargos com remunerações de treinadores e outros técnicos, inscrições e seguros dos atletas, custos com as instalações, transportes, exames médicos, entre outros.

Nota particular merece o futebol profissional que se tornou num espectáculo altamente lucrativo que em muito transcende o que se passa em campo.

Com a financeirização das estruturas e transformação dos clubes em empresas, os valores das transmissões televisivas, os patrocínios avultados, o desporto verdadeiramente considerado tem perdido centralidade, dando lugar a um clima de agressividade dentro e fora dos recintos desportivos, alimentado pela comunicação social.

À boleia do combate à violência e criminalidade, estigmatizam-se os grupos de adeptos e criam-se medidas como o “cartão do adepto”, um verdadeiro cadastro de adeptos.

Na Alta Competição é com dificuldade que os atletas olímpicos e paralímpicos competem. Sem apoios, pagando do próprio bolso a representação de Portugal no exterior, só sentem a intervenção dos governantes quando se trata de festejar as conquistas e resultados.

A Educação Física, como primeiro contacto dos alunos com a prática desportiva e como componente do desenvolvimento harmonioso dos jovens, de promoção de hábitos saudáveis, mas também veículo de inclusão, de valorização dos ideais democráticos e de formação de carácter, choca com entendimentos que relegam a disciplina de educação física para segundo plano.

O PCP teve aqui um importante papel a repor a contabilização da nota na disciplina da Educação Física para a médica de conclusão do Ensino secundário e de acesso ao Ensino Superior.

Mas a desvalorização não deixa de se comprovar na degradação dos pavilhões e equipamentos desportivos das escolas e na substituição de componentes lectivas por Actividades Extra Curriculares. Tudo isto desemboca numa premeditada agonia do Desporto Escolar.

O Estado subalterniza o desporto e demite-se das suas responsabilidades.

A fusão do Instituto Português do Desporto com o Instituto Português da Juventude, é um exemplo disso.

A política de sucessivos governos não aposta na promoção da integração, através do desporto adaptado;

No combate às discriminações e exclusão social através do desporto;

Na superação das desigualdades entre sexos, onde há tanto a fazer;

Na política de saúde física e mental, como instrumento de prevenção daquelas que são chamadas “doenças do nosso tempo”.

É por isso imprescindível integrar na luta pela democracia avançada que defendemos, a luta pelo desporto enquanto direito de todos.

Isso passa por uma intervenção do Estado na garantia de condições materiais, ao nível dos equipamentos e infra-estruturas públicas.

Passa por uma concepção de formação integral que tem na Escola reflexo, com investimento no desenvolvimento motor e no Desporto Escolar.

Passa pela valorização e apoio ao movimento associativo. Em particular no momento difícil que atravessa.

Passa pelo financiamento às várias modalidades e pela superação da lógica de canalização de fundos para os grandes eventos internacionais.

Camaradas,
Para o PCP o desporto não é uma questão de segunda, é uma questão fundamental para o país, para o seu avanço e para a melhoria da vida dos trabalhadores. Por isso reafirmamos também o nosso compromisso junto de atletas, profissionais, clubes, de continuar a lutar e intervir para que o Direito ao Desporto e o desporto para todos seja uma realidade.

Viva o XXI Congresso
Viva a JCP
Viva o PCP

>
  • Intervenções
  • XXI Congresso
  • Central
  • XXI Congresso do PCP