Nota do Gabinete de Imprensa do PCP

Futuro aeroporto: PS e PSD convergem na submissão do País à multinacional Vinci

Os recentes encontros entre o PS e o PSD – incluindo o que hoje teve lugar – para discutir o futuro aeroporto de Lisboa visam, na verdade, discutir o caminho para impor ao povo português a solução que melhor serve os interesses da multinacional Vinci a quem foi entregue, em 2013, a concessão das infraestruturas aeroportuárias por 50 anos. Aliás, é significativo da submissão do poder político português aos interesses do grande capital que, quem de facto determina as conclusões da reunião, nem sequer necessite de estar presente.

As conclusões pré-anunciadas apontam para um novo adiamento da necessária resolução do problema criado pelo PSD/CDS quando entregaram a ANA à multinacional Vinci e quando esta se recusou a avançar com a construção do Novo Aeroporto de Lisboa nos terrenos públicos do Campo de Tiro de Alcochete, como estava decidido e consensualizado. Posição que o PS caucionou e  assumiu.

É confrangedor a forma como PS e PSD encaram o processo de Avaliação Ambiental Estratégica e a escolha da entidade que a vai elaborar para impor, na prática, a opção que já escolheram sem terem coragem política para a assumir. Ao mesmo tempo que visam descredibilizar estudos já realizados, incluindo a avaliação realizada pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil, que já apontavam, há muito, que a solução que melhor serve o País é a construção faseada do Novo Aeroporto nos terrenos públicos do Campo de Tiro de Alcochete.

Que tal não seja o que melhor serve os interesses da Vinci é o verdadeiro problema que quer PS quer PSD se têm revelado incapazes de resolver.

O PCP chama a atenção para o significado político da convergência entre PS e PSD que, neste caso, impõe o adiamento de investimentos estratégicos, ao mesmo tempo que se prolongam problemas e riscos como os provocados pela existência de um Aeroporto no interior da Cidade de Lisboa ou pela absoluta falta de espaço na Portela e os incomportáveis impactos de uma operação aeroportuária do tamanho da hoje existente.

O PCP reafirma a necessidade do País avançar para a construção faseada do Novo Aeroporto de Lisboa no Campo de Tiro de Alcochete, libertando progressivamente, mas definitivamente, a Portela e colocando esta nova infraestrutura – construída com recurso às avultadas receitas da actividade aeroportuária – ao serviço do desenvolvimento do País.

>
  • Economia e Aparelho Produtivo
  • Central