Intervenção de Sandra Pereira no Parlamento Europeu

O estado da União da Energia

A subida brutal dos preços da energia é indissociável das opções tomadas pela UE.

As consequências da liberalização e privatização do sector, da manutenção de mercados oligopolistas, nos quais os preços cartelizados e as metodologias adoptadas garantem lucros astronómicos, ou da criação e funcionamento do mercado do carbono estão a ser sentidas pelos consumidores, especialmente os mais vulneráveis.

A energia é um bem público.

O controlo público e democrático sobre o sector de energia é um requisito fundamental para garantir a sustentabilidade.
No meu país, encerrou recentemente a Central Termoeléctrica do Pego. A solução apresentada é importar electricidade de países onde também é gerada em centrais a carvão.

O processo de descarbonização não pode ser feito à custa da soberania energética, dos postos de trabalho, do aumento do custo da energia, e quando ambientalmente também não há qualquer ganho já que as emissões se transferem para outro país.

A nossa solidariedade aos cerca de 200 trabalhadores da Central do Pego pela sua luta em defesa dos seus direitos e dos seus postos de trabalho.

>
  • União Europeia
  • Intervenções
  • Parlamento Europeu