O PCP e o papel das mulheres
na luta clandestina




Ao comemorarmos os 80 anos do nosso glorioso Partido não estamos apenas a assinalar a data da sua fundação em 6 de Março de 1921. Estamos, fundamentalmente, a relembrar o seu grande e valioso património de luta consequente e abnegada ao longo dos seus 80 anos. Sempre na vanguarda da defesa dos trabalhadores, do povo, das liberdades democráticas, da paz e da justiça social.

Destes 80 anos, 48 foram de luta na clandestinidade contra o regime fascista, que se implantou com o golpe de 28 de Maio de 1926. A partir daqui, qualquer partido, movimento ou associação de carácter progressista ou reivindicativo, foi proibido, considerado ilegal e sujeito à repressão. O PCP foi o único partido político que não abdicou do seu direito a existir e a lutar pela defesa do povo e de um Portugal democrático, livre e independente. Foi, então, forçado a reorganizar-se na clandestinidade para prosseguir a sua luta e poder, assim, orientar, esclarecer e organizar os portugueses na luta em defesa dos seus interesses.

Foi muito dura esta batalha. Implicou grande determinação e muitos sacrifícios. O PCP ficou debilitado, as organizações foram reduzidas, a sua sede foi encerrada. Mas, e como a História o provou, vencendo ao longo dos anos todo o tipo de dificuldades, alargou-se, reforçou a sua organização, ganhou a confiança dos trabalhadores dos vários sectores sociais, do campo e da cidade. Isto foi possível, por um lado, porque os seus objectivos e projectos iam ao encontro dos anseios e aspirações dos trabalhadores, mulheres, homens e jovens e do povo português em geral e, por outro, porque contou com largo apoio e solidariedade, não só de comunistas mas de numerosos antifascistas e democratas. Muitos deles abriam as portas das suas casas a funcionários do Partido que, perseguidos pela PIDE, eram forçados a fugir para não serem presos, alojando-os por largo tempo como se fossem seus familiares ou “hóspedes” e transportando os funcionários clandestinos nos seus carros por longos percursos. Estes antifascistas e suas casas, conhecidos como pontos de apoio, apesar de legais, corriam o mesmo risco de verem as suas casas assaltadas pela PIDE e de serem presos e condenados, como aconteceu com alguns.

Outras formas de solidariedade consistia nas ofertas de roupas, calçado, medicamentos, assistência médica e as valiosas contribuições financeiras.

Igualmente importante foi a solidariedade aos presos políticos e suas famílias, prestada por milhares de antifascistas que enfrentaram a repressão e as represálias da PIDE e do fascismo. De referir ainda a solidariedade internacional, quer na ajuda aos presos políticos e suas famílias, quer na denúncia e condenação do fascismo em Portugal. É evidente que sem esta solidariedade, que se inseria na luta contra a ditadura fascista, não teria sido possível vencer a dureza da luta clandestina e a repressão.

Qualquer participação na luta contra o regime fascista revelou dedicação, coragem e combatividade, que foram decisivas para o derrube do fascismo e, consequentemente, para a Revolução dos Cravos em Abril de 74.

Para lutar na clandestinidade, o PCP teve de criar condições especiais de trabalho e de defesa. A começar por ganhar militantes de confiança e dispostos a lutar na clandestinidade, em situação muito difícil e perigosa. E a história provou que o Partido forjou na luta quadros e militantes capacitados, firmes e de grande dedicação.

Para as casas clandestinas, não só para habitação mas também como postos de trabalho com condições de segurança e de defesa, era fundamental a participação militante de mulheres. As mulheres, que tiveram um destacado papel em todas as frentes de luta, tiveram também um papel relevante no aparelho clandestino do PCP. Sem a sua participação, corajosa e dedicada, não haveria condições de um bom funcionamento e de defesa nas casas clandestinas. Para oferecer segurança, a casa precisava de ter a aparência normal de uma família, pelo que a presença de uma mulher era indispensável para não levantar suspeitas. Sendo a sua tarefa principal a defesa da casa, o que exigia um cuidadoso relacionamento e comportamento face aos vizinhos, não podia cair em contradição nas justificações avançadas para a vida que tinham, para o suposto emprego do camarada que andava no trabalho de organização e político. Tudo impunha muita atenção, disciplina e rigoroso cumprimento de regras conspirativas. O “simples” acto de ir colocar o sinal para dar entrada ao camarada quando este ficava fora para reuniões, ou a ida às compras, que tinham de ser feitas em locais mais recatados, obrigavam a uma vigilância permanente. Qualquer falha poderia pôr em risco a segurança da casa e dos camaradas.

Mas, para além destas responsabilidades, geralmente todas as camaradas das casas do Partido tinham parte activa noutras tarefas. As que estavam em tipografias participavam nos trabalhos de composição e impressão da imprensa clandestina: Avante!, O Militante e outros jornais e documentos. As que estavam noutras casas do Partido, organizavam os arquivos, escreviam à máquina (metida em caixa almofadada para abafar o som) longos relatórios, informações, etc.. As que tinham maiores habilitações redigiam artigos, utilizavam os copiógrafos, donde retiravam, a stencil, especialmente nos primeiros anos: “O Camponês”, “O Corticeiro”, “O Têxtil”, “A Terra”, “As 3 páginas”, “A Voz das Camaradas”, entre outros.

Há que considerar que grande parte das militantes das casas clandestinas eram modestas trabalhadoras, com pouca preparação política e ideológica e algumas tiveram mesmo de aprender a ler e a escrever. No entanto tinham bastante experiência da vida e da luta como operárias, camponesas, trabalhadoras. Tinham, por isso mesmo, uma forte consciência de classe, espírito solidário e de elevado sacrifício, uma grande confiança no Partido e nos seus ideais.

As mulheres comunistas, algumas muito jovens, que mergulharam na clandestinidade com 15, 16, 17 anos, assumiram grandes responsabilidades e provaram as suas capacidades na luta muito difícil, no isolamento clandestino e separadas de toda a família. Outras houve que estiveram separadas dos maridos longos anos pelo facto de estes terem sido presos e condenados.

Também muitas delas enfrentaram a PIDE, os interrogatórios, os anos de prisão, com firmeza e dignidade, honrando o seu Partido e os seus ideais. Tudo enfrentaram com coragem e dedicação revolucionária, demonstrando a sua determinação de lutar por um futuro melhor, lado a lado com os seus camaradas.

Mas sabiam que não estavam sozinhas. Sentiam-se integradas no amplo conjunto de portugueses, mulheres, homens e jovens, que lutavam em todo o país.Tinham consciência de que os seus problemas específicos de mulher, mãe e trabalhadora só seriam resolvidos numa sociedade liberta da exploração, da desigualdade e das injustiças. E sabiam que o PCP era o único partido consequente na luta pelos seus direitos.

As mulheres comunistas encontraram no seu Partido uma escola de formação política e ideológica. E a dureza e a prática da luta uniu e apetrechou os comunistas de princípios e valores importantes para a vida. Princípios como a amizade fraterna, a solidariedade, o respeito, a fidelidade ao Partido e à causa da luta que se travou ao longo dos anos difíceis. Valores que, no essencial, se mantiveram entre camaradas, como uma ampla família unida pelo Partido, e que se vêm transmitindo e alargado a novas gerações.

Creio não ser errado afirmar que as mulheres nas casas do Partido foram as que mais aprenderam politicamente e se prepararam para tarefas de maior responsabilidade.

Isto mesmo é afirmado pelo camarada Álvaro Cunhal no encerramento da Conferência do PCP - Pela Emancipação da Mulher no Portugal de Abril - 1986: “No meio século de terror fascista, nas duras condições de clandestinidade em que o Partido actuou, as mulheres comunistas, educadas pelo Partido, mostraram o seu alto valor revolucionário, no trabalho de organização, na acção política, nas tarefas técnicas mais duras e perigosas, como tipografias, aparelhos e casas clandestinas. Centenas de mulheres comunistas foram perseguidas, presas e torturadas. Muitas destacadas camaradas foram presas, julgadas e condenadas a largos anos de prisão. Libertadas, muitas voltaram logo à luta clandestina”.

Também as nossas crianças, quando habitavam nas casas clandestinas, privadas da escola e do convívio com as outras crianças, revelavam comportamentos notáveis de elevada consciência e noção de responsabilidade. Na história do Partido há muitos exemplos disso mesmo. Apenas cito dois: o da camarada Ivone Dias Lourenço que, com 5 anos, se sentou sobre um Avante que estava em cima do divã para o esconder de uma vizinha que entrou inesperadamente. Os pais não tinham reparado e insistiam para a filha se levantar e beijar a vizinha, mas a menina de 5 anos não se moveu... Outro exemplo é o da filha do camarada Agostinho Saboga que aos 8/9 anos ajudava os pais numa tipografia clandestina. Muitas das nossas crianças tinham verdadeira noção dos perigos e guardavam segredos conspirativos para defender a casa e os pais.

Hoje é motivo de grande satisfação encontrar jovens militantes comunistas, dedicados e activos, que nasceram ou viveram nas casas clandestinas. Alguns deles assistiram mesmos aos assaltos da sua casa pela PIDE e foram presos com os pais.

O PCP, como grande força política revolucionária e organizada, ao longo dos seus 80 anos de luta acumulou experiências, conhecimentos que não se podem subestimar. Serviram para a Revolução dos Cravos de Abril, são valores que continuam a ser guias da nossa luta no presente e no futuro.

Após o derrube do regime fascista, o PCP e os comunistas passaram a lutar, em liberdade, pela concretização e defesa das conquistas de Abril e pela construção de uma sociedade democrática, livre e independente, rumo ao socialismo. Deixaram de ser perseguidos pela PIDE e pelo regime fascista mas continuaram a enfrentar a ofensiva, a violência e as calúnias das forças reacionárias da direita, que atacaram e incendiaram os Centros de Trabalho do Partido.

A direita reacionária e os seus aliados tudo tentaram para impedir o processo democrático e a luta do PCP e do povo para instaurar uma sociedade sem exploradores nem explorados. E aqui, mais uma vez, a luta do PCP, dos traba lhadores e das forças democráticas foi determinante para travar a reacção.

No ano de 2001, em que o nosso Partido completa 80 anos de vida e de luta ao serviço do povo e de Portugal, é com muito orgulho que continuamos a afirmar que temos um Partido da classe operária e de todos os trabalhadores, com a sua identidade própria, com direcção e orientação únicas, partido com centralismo democrático, com princípios básicos do marxismo-leninismo. Princípios confirmados e aprovados no seu XVI Congresso em Dezembro último.

Os comunistas unidos, firmes e combativos, mulheres, homens e jovens, continuarão a defender, em torno destes princípios, um PCP interveniente e in fluente na política portuguesa, ao serviço dos interesses dos trabalhadores, de Portugal, da democracia. Um PCP para “construir o futuro”.

«O Militante» - N. 254 - Setembro/Outubro 2001