Intervenção de Sofia Grilo, Membro do Executivo da Direcção da Organização Regional de Lisboa do PCP, XX Congresso do PCP

Organização Regional de Lisboa

Ver vídeo

''

Nos últimos quatro anos, os comunistas da Organização Regional de Lisboa desenvolveram a sua actividade numa grave situação social e política, resultante de décadas de política de direita, agravada pelo governo PSD/CDS e centraram as suas energias, essencialmente, na luta de massas e no reforço do Partido.

Na luta pela derrota do governo PSD/CDS, pela ruptura com a política de direita e a construção da alternativa patriótica e de esquerda, contribuímos, empenhadamente, nas jornadas de luta promovidas pelos sindicatos da central sindical de Classe – CGTP-IN e outros movimentos de massas. Destacamos as greves gerais, as lutas da Administração Pública Central e Local, da Saúde, da Educação, da Segurança Social, da Justiça; dos Transportes, dos Seguros; as lutas dos trabalhadores do Metro, da CP, da CP Carga, da Refer, da EMEF, da Carris, da TAP, da SPDH, das rodoviárias privadas de passageiros e dos estivadores do Porto de Lisboa; dos trabalhadores da INCM, da Valorsul, da Saint Gobain, dos Centros de contacto da EDP, dos CTT, da Agência LUSA e do Diário de Notícias.

Lutas, também, em defesa da cultura, da erradicação da pobreza, em defesa da escola pública e a luta dos reformados, em particular, pelo aumento das pensões e reformas. A luta dos utentes atingiu dimensões importantes na defesa do serviço público de transportes e da saúde.

Lutas que contribuíram para a derrota do PSD/CDS e alcançar algumas vitórias nesta nova fase da vida política nacional como impedir a privatização do Metro e da Carris e repor dos complementos de pensões aos reformados de empresas públicas, nas 35 horas na Administração Pública.

No plano eleitoral num quadro de crescimento geral da CDU no distrito e em várias eleições, salientamos a vitória no Município de Loures.

O Partido, na ORL, baseia a sua intervenção em oito sectores profissionais com organismos de direcção consolidados, em sectores de empresa concelhios e em 64 células de empresas com níveis de intervenção diferenciados.

Realizámos 70 Assembleias de Organização, nos últimos quatro anos, exemplos da nossa democracia interna e de trabalho colectivo e com consequências positivas no nosso reforço orgânico.

Desde Dezembro de 2012 entraram para a Organização Regional de Lisboa 1060 novos camaradas que reforçaram a actividade partidária.

Gostaríamos de partilhar com o Congresso duas experiências de trabalho:

No campo da formação ideológica: todos aqueles que se inscrevem no Partido são chamados a participar em cursos básicos sobre o programa e os estatutos e outros temas. Desde o último congresso já participaram 710 membros do Partido em cursos que são fundamentais para a formação dos novos militantes.

A segunda experiência tem a ver com o trabalho realizado na Campanha de Fundos para a aquisição da Quinta do Cabo: Começámos com a discussão colectiva e conversas individuais com os camaradas dos organismos executivos e restantes membros da Direcção Regional, foi acertada a sua contribuição para a campanha. O mesmo aconteceu, com os membros das comissões Concelhias e Organismos de Direcção dos sectores profissionais e levou-se o mais abaixo possível aos organismos de base do Partido.

Partimos, assim, para a campanha, com o essencial dos dirigentes da Organização Regional (mais de 500), comprometidos com a sua própria contribuição e em óptimas condições de ampliarem este trabalho aos restantes militantes e amigos do Partido.

Realizámos uma grande acção de massas, com resultados financeiros muito positivos para comprar a Quinta do Cabo, para o reforço do Partido e de grande importância ideológica. O objectivo que nos foi proposto, foi ultrapassado em quase 300% e mostrou as grandes potencialidades que existem para reforçar a recolha de fundos para o Partido e garantir a sua independência financeira.

Em 2015, realizámos a VIII Assembleia da ORL. Saliento três das principais decisões que tomámos.

1 - Reforçar o Partido nas empresas e locais de trabalho: recrutar mil novos camaradas para organizar nas células de empresa até 2019. Objectivo muito ousado que nos coloca a necessidade de falar com milhares de trabalhadores para que concretizem a sua adesão e tornem assim o Partido mais forte lá onde se trava a luta de classes.

2 - Discutir em toda a organização a importância da independência financeira do Partido e, especial, da quotização. Nesse sentido, trabalhar para que todos os militantes tenham um camarada com a tarefa de lhe receber a quota e estamos a 15 % da concretização deste objectivo. A partir de Janeiro vamos lançar uma campanha regional para o aumento geral do valor da quota.

3 – Mais iniciativa e intervenção política das organizações do Partido – o que nos exige mais audácia, mais determinação na ligação aos problemas concretos dos trabalhadores e das populações na dinamização da sua luta.

No âmbito do Congresso, realizámos 272 assembleias plenárias e reuniões onde participaram 2932 militantes. Duas ideias principais que tiveram presentes no período de discussão: acordo geral com o Projecto de Resolução Política e uma grande confiança no Partido. As exigências dos tempos que vivemos são muitas. Precisamos do Partido mais forte, coeso e unido.

Os militantes do PCP organizados no distrito de Lisboa reafirmam a sua responsabilidade de agir, com determinação e combatividade, na defesa dos trabalhadores e das massas populares, pela alternativa patriótica e de esquerda, pela democracia avançada e os valores de Abril no futuro de Portugal, com o objectivo supremo de transformação revolucionária da sociedade.

>
  • Intervenção
  • XX Congresso do PCP
  • PCP
  • Lisboa

Partilhar