Nota do Gabinete de Imprensa do PCP

Sobre o surto de Legionella no Hospital S. Francisco Xavier

Sobre o surto de Legionella no Hospital S. Francisco Xavier

A detecção, para já, de 18 doentes e um trabalhador no Hospital S. Francisco Xavier, infectados por uma bactéria do género Legionella coloca, mais uma vez, em evidência a falta de investimento numa área fundamental para a saúde pública que é o controlo desta doença.

Situação que assume uma particular gravidade devido ao facto de ter acontecido numa unidade hospitalar, com centenas de trabalhadores e doentes, muitos deles idosos e por isso mais vulneráveis à doença. A situação é ainda mais preocupante, quando anteriormente se verificaram situações semelhantes em outras unidades hospitalares.

A gravidade e dimensão deste caso, esta ainda longe de ser conhecida. Tendo em conta que o período de incubação da doença pode ir até 10 dias, o universo das pessoas infectadas pode ser mais largo o que por si só exige um reforço de meios, quer na identificação rápida da origem do problema e da sua resolução, quer no tratamento dos doentes infectados.

Este caso põe em evidência um conjunto de insuficiências, designadamente ao nível de prevenção e monitorização, verificadas na intervenção do Ministério da Saúde e em particular da Direcção Geral da Saúde.

Insuficiências que, no essencial, resultam de uma política financeira restritiva que tem vindo a ser implementada há muito tempo, particularmente no último Governo PSD/CDS, e que limita, não só o investimento em meios humanos e técnicos, como impede o investimento na renovação e reparação de equipamentos e nos edifícios onde funcionam as unidades de saúde.

Quando do surto de Legionella verificado em 2014, no concelho de Vila Franca de Xira, já o PCP vinha chamando a atenção para o facto da estrutura da Direcção Geral de Saúde e a estrutura de Saúde Pública serem claramente insuficientes para responder a situações como a que se viveu na altura. Desde então o que foi feito?

Os portugueses precisam de conhecer como está a funcionar o Programa de Vigilância Epidemiológica Integrada da Doença dos Legionários.

Se está a funcionar, quem é o responsável deste Programa na Direcção Geral de Saúde e se existem responsáveis regionais.

Que investimentos foram realizados nesta área após o surto de 2014?

O PCP exige respostas rigorosas sobre esta matéria, pelo que o Grupo Parlamentar do PCP irá chamar à Assembleia da República em tempo oportuno o Ministro da Saúde.

>
  • Saúde
  • Central
  • Hospital S. Francisco Xavier
  • Legionella

Partilhar