Nota do Gabinete de Imprensa do PCP

Sobre a situação na Indonésia

1. Suharto, o ditador que chegou ao poder em 1965 na sequência de um golpe militar que assassinou largas centenas de milhares de comunistas e outros democratas e patriotas indonésios, foi obrigado a deixar o poder na sequência de grandiosas lutas populares e estudantis que abalaram a ditadura. Para este fim contribuiu sem dúvida a heróica luta do povo maubere em Timor Leste.

2. A estrutura do poder da ditadura foi abalada mas mantém-se. A saída de Suharto e a chamada para o cargo de Presidente do vice-presidente Habib significa, por um lado, a incapacidade do regime em se manter sem alterações e, por outro, uma nova tentativa de prolongar a ditadura com novas roupagens. Trata-se ainda de uma derrota da política neoliberal que à escala planetária visa impor aos trabalhadores e aos povos um insuportável fardo com o qual engorda algumas centenas de transnacionais que governam o mundo através do FMI e BM.

3. O PCP reclama o fim da repressão sobre o povo indonésio, e a libertação de todos os presos políticos - incluindo em Timor Leste, Xanana Gusmão e todos os resistentes timorenses - o reconhecimento das liberdades democráticas e a consequente instauração de um regime democrático onde o povo indonésio decida livremente o seu futuro.

4. Neste momento histórico, de derrota do ditador Suharto, que causou a dor e a miséria do povo indonésio e o sofrimento do povo timorense, não pode esquecer-se que a ditadura se manteve durante 33 anos, graças ao apoio a todos os níveis dos EUA e outras grandes potências capitalistas.

Denunciando tal apoio o PCP considera que a escandalosa cooperação militar e as vergonhosas negociatas com armamentos devem imediatamente cessar.

5. O PCP apela ao povo português para intensificar a sua solidariedade para com a luta do povo indonésio pela conquistas da democracia, e para com o povo timorense na luta pela sua libertação.

6. O PCP considera que, nas novas circunstâncias criadas na Indonésia, se torna ainda mais premente que os órgãos de soberania de Portugal se empenhem num impulso diplomático e político no sentido de dar maior visibilidade e alcançar maior apoio para a justa causa do povo maubere.

Em articulação com a Resistência Timorense o Governo Português deve adoptar novas e urgentes iniciativas, nomeadamente junto da ONU e do seu Conselho de Segurança (de que Portugal é actualmente membro) e da União Europeia, com vista a assegurar o exercício efectivo pelo povo timorense do seu direito à autodeterminação e independência.

Como sempre o PCP está disponível para considerar iniciativas que visem este objectivo consagrado constitucionalmente.

>
  • Soberania, Política Externa e Defesa
  • Central
  • Declarações e Comunicados do PCP
  • Indonésia
  • Suharto

Partilhar