8 Perguntas e Respostas

Sobre as 3 novas vacinas do Plano Nacional de Vacinação

8 Perguntas e Respostas

Sobre as 3 novas vacinas do Plano Nacional de Vacinação

1. Os médicos recomendam às famílias a vacinação das crianças?

Sim. O presidente do Colégio de Pediatria da Ordem dos Médicos afirma que «tanto os pediatras como os médicos de Medicina Geral e Familiar estão a aconselhar os pais a vacinar os filhos»contra a meningite B. As três vacinas são também recomendadas para todas as crianças pela Sociedade Portuguesa de Pediatria e pela Sociedade de Infeciologia Pediátrica.

Fonte

“DGS quer vacina da meningite B no Programa Nacional de Vacinação”, Jornal de Notícias, 11/10/2018

https://www.jn.pt/nacional/interior/dgs-quer-meningite-b-no-programa-de-vacinacao-9982766.html

“Recomendações sobre vacinas extra Programa Nacional de Vacinação”, Comissão de Vacinas da Sociedade de Infeciologia Pediátrica e da Sociedade Portuguesa de Pediatria

http://www.spp.pt/UserFiles/file/Comissao_de_Vacinas/Vacinas%20extra-PNV%20-%20RecomendaCOes%20SIP-SPP%202018.pdf

2. Se é recomendada por médicos, porque diz o PCP que as famílias não podem aceder?

O custo combinado destas vacinas é de cerca de 600 euros, ou seja, quem pode paga, quem não pode não é vacinado. Sem a proposta do PCP, milhares de crianças continuariam excluídas.

Fonte: Recortes de Imprensa

3. A Direção-Geral da Saúde (DGS) quer ou não quer que estas vacinas sejam incluídas no Plano Nacional de Vacinação (PNV)?

A DGS fez várias declarações nesse sentido. A directora-geral da Saúde afirmou que a vacina contra a meningite B «é óptima e dá protecção às crianças». A único factor em análise é o equilíbrio entre o custo e o benefício: se compensa proteger todas as crianças de uma doença que matou 40 pessoas só em 2015. Para nós bastaria uma.

Fonte

“Meningite matou mais em Portugal”, Correio da Manhã, 22/03/2017

https://www.cmjornal.pt/sociedade/detalhe/meningite-matou-mais-em-portugal

4. Mas se a DGS quer incluir estas vacinas no Plano Nacional de Vacinação porque não o fez já?

Voltamos às palavras da DGS:

«Há países onde a vacina já consta [no PNV] mas é paga por seguradoras. Cá, somos todos nós a pagar, o que obriga a fazer contas»

Graça Freitas, Directora-Geral de Saúde

11 de Outubro de 2018

5. As crianças portuguesas vão ser vítimas de uma experiência ainda não tentada noutros países?

As crianças portuguesas vão ser vítimas de uma experiência ainda não tentada noutros países? Claro que não. Para além de já hoje estas vacinas serem recomendadas e homologadas pelas autoridades, estas vacinas fazem parte do Plano Nacional de países como Reino Unido ou Itália.

80países têm actualmente a vacina contra o Rotavírus no seu PNV
94%O Reino Unido introduziu a vacina da meningite B em 2015. Dados demonstram uma redução de 94,2% dos casos
16países onde já foram emitidas recomendações oficiais para a vacinação universal contra HPV

6. O PCP quis ultrapassar a DGS nas decisões sobre o Plano Nacional de Vacinação?

Não, o PCP quis garantir que não há nenhuma restrição orçamental para o acesso a todas a crianças, consagrando o cabimento orçamental correspondente. O PCP escolheu politicamente a saúde das crianças em vez de défices orçamentais.

7. O PCP está a ceder à indústria farmacêutica?

Não. Nem à indústria farmacêutica nem a estratégias economicistas. Basta pensar que assim, pelo efeito de escala, o Estado português está em melhores condições de adquirir as vacinas a um preço mais baixo. A aquisição individual desprotege-nos social e economicamente. Juntos estamos mais protegidos.

8. Na discussão da utilização da cannabis para fins medicinais o PCP afirmou que cabe ao INFARMED o aval à introdução de medicamentos. Não é contraditório com esta posição sobre as vacinas?

Não. Estas vacinas já se encontram autorizadas pelo INFARMED, autorização que só é concedida reunidos que estejam os parâmetros técnicos e científicos. É aliás por isso que estas vacinas já se encontram no mercado.

Partilhar