Situação na Ucrânia

Sra, Mogherini, concordo consigo de que necessitamos de uma solução pacífica. Mas uma solução pacífica não se constrói diabolizando uma das partes do conflito.

No último dia 15 de Janeiro, a organização Human Rights Watch repetiu a acusação de que as forças de Kiev alvejam áreas civis indiscriminadamente e acusou o primeiro-ministro ucraniano de usar bombas de fragmentação e lançadores múltiplos de rockets. Porque é que os EUA enviaram instrutores militares para a Ucrânia e porque é que as forças de Kiev estão a usar munições da NATO nos ataques a Gorlovk?

Uma solução política requer uma visão diferente do conflito e não a imposição de uma parte sobre a outra. Tem que se pedir a retirada do Donbass das forças agressoras, tem que se reconhecer o estatuto de forças beligerantes às partes do conflito, o que implica o reconhecimento ao direito de resistência a forças fascistas e ultra-nacionalistas, e promover um diálogo directo entre as partes em conflito.

>
  • Intervenções
  • Parlamento Europeu
  • Declarações e Comunicados do PCP