Posições Políticas

Direitos de maternidade e paternidade na lei e na vida

Direitos de maternidade e paternidade na lei e na vida

Foi aprovado na passada sexta-feira, por proposta do PCP, o pagamento a 100%, sem penalizações, da licença de maternidade de trabalhadoras grávidas expostas, no seu posto de trabalho, a riscos nocivos para a sua saúde e para a do bebé, e que se viam obrigadas a ir para casa antes do parto com um corte de 35% do seu salário.

A medida agora aprovada e pela qual o PCP se batia há uma década, e que sucessivamente enfrentou o voto contra de PS, PSD e CDS, revela que vale a pena lutar.

Ver vídeo
É necessário o aumento geral dos salários

É necessário o aumento geral dos salários

A nossa participação e a razão de estar aqui, uma posição solidaria naturalmente, com a luta dos trabalhadores mas particularmente em torno desta grande reivindicação da CGTP - Intersindical Nacional da necessidade do aumento geral dos salários, designadamente do salário mínimo nacional para 850€.

PCP condena nova intentona golpista contra a Venezuela

PCP condena nova intentona golpista contra a Venezuela

PCP condena veementemente a nova intentona golpista contra a Venezuela e o seu povo, protagonizada por forças de extrema-direita responsáveis por acções de grande violência, com o apoio de um grupo de militares, e o suporte da Administração norte-americana de Trump e de governos reaccionários do chamado Grupo de Lima.

Ver vídeo
Portugal precisa de avançar no caminho de Abril reforçando os direitos sociais

Portugal precisa de avançar no caminho de Abril reforçando os direitos sociais

Uma saudação muito especial a todos os presentes, nesta importante iniciativa da CDU comemorativa do 45.º aniversário da Revolução do 25 Abril, essa exaltante realização do nosso povo que marcará para sempre a História do nosso País.

Ver vídeo
«Inspirados pelo exemplo de Abril, aqui afirmamos uma ideia fundamental: a de que não há inevitabilidades»

«Inspirados pelo exemplo de Abril, aqui afirmamos uma ideia fundamental: a de que não há inevitabilidades»

Celebramos quarenta e cinco anos de Abril. Celebramos a actualidade dos seus valores e a necessidade de os projectarmos no presente e no futuro de Portugal.

Lutar hoje, aqui e agora, por realizações concretas, a favor dos trabalhadores, do povo e do País.

Lutar por um País livre e soberano, independente e desenvolvido.

Contribuir, a partir do nosso país, para a construção de uma outra Europa, dos trabalhadores e dos povos, de progresso, de justiça social e de paz.

Tudo isto é defender e afirmar os valores de Abril.

«Este é o museu pelo qual lutámos. Este é o museu que vamos ter»

«Este é o museu pelo qual lutámos. Este é o museu que vamos ter»

Os valores de Abril estão hoje aqui presentes, neste dia de Festa para todos os democratas e amantes da liberdade. Uma dupla Festa de importância e contribuição inegável para o reforço da democracia.