PCP

Jornadas Parlamentares do PCP em Faro

O PCP realizou as suas Jornadas Parlamentares no distrito de Faro, a escassos dias após a aprovação do Orçamento do Estado para 2014 pela maioria que suporta o actual governo do PSD/CDS, um orçamento que segue a via de roubo dos salários, das reformas e pensões, da destruição do sistema de protecção social, do ataque aos serviços públicos essenciais às populações, despedimentos e da destruição do país. As Jornadas Parlamentares reforçaram a exigência da demissão do Governo e da convocação de eleições, destacando as medidas para uma política alternativa não só possível, como cada vez mais indispensável para retirar o país do caminho de ruína em que se afunda.

Ver vídeo

Visitas nas Jornadas Parlamentares do PCP em Faro

Declaração de Paulo Sá, sobre o balanço das diversas visitas realizadas durante as Jornadas Parlamentares em Faro.

Ver vídeo

"Afirmar a alternativa a esta política e a este Governo, alternativa que existe e é cada vez mais urgente construir"

Na abertura das Jornadas Parlamentares do PCP que se realizam no distrito de Faro, João Oliveira afirmou que estas jornadas serão, como costumam ser as jornadas parlamentares do PCP, um importante momento de trabalho ligado ao pulsar da vida do nosso país e da luta do nosso povo e delas resultará certamente a afirmação da política alternativa, patriótica e de esquerda de que o Algarve e o país necessitam.

Ver vídeo

"Há soluções para os problemas do país e nós estamos aqui para as afirmar"

Na abertura das Jornadas Parlamentares do PCP, o Secretário-Geral do PCP afirmou que realizamos estas nossas Jornadas a escassos dias após a aprovação do Orçamento do Estado para 2014 pela maioria que suporta o atual governo do PSD/CDS, um orçamento que segue a via de roubo dos salários, das reformas e pensões, da destruição do sistema de proteção social, do ataque aos serviços públicos essenciais às populações, despedimentos e da destruição do país.

Ver vídeo
Alterações no Grupo Parlamentar do PCP

Alterações no Grupo Parlamentar do PCP

O PCP anunciou hoje as alterações que irão acontecer no Grupo Parlamentar, face aos resultados eleitorais e consequente eleição de Bernardino Soares para Presidente de Câmara do Município de Loures. João Oliveira assumirá a responsabilidade de Presidente do Grupo Parlamentar, sendo que Paula Santos terá novas responsabilidades de direcção no Grupo e David da Costa irá assumir o lugar de deputado.

Ver vídeo

"Este governo já foi censurado e derrotado pelo povo"

Moção de censura ao XIX Governo Constitucional, contra a degradação da governação e das políticas de devastação do País, pela dignidade e pela melhoria da vida do povo português
(moção de censura n.º 5/XII/2.ª)

Sr.ª Presidente,
Sr. Primeiro-Ministro,

Votos de pesar pelo falecimento de Oscar Lopes e João Honrado

Foram hoje votados por unanimidade na Assembleia da República, dois votos de pesar pelo falecimentos dos camaradas Oscar Lopes e João Honrado.

Pelo falecimento de Óscar Lopes

Faleceu no passado dia 22 de Março, aos 95 anos de idade, Óscar Lopes, figura maior da Cultura Portuguesa, nome marcante dos estudos linguísticos e literários, estudioso da cultura portuguesa, generoso militante cultural, um intelectual comunista de uma intensa constância na sua vida e na sua obra, membro do PCP desde 1945 e do seu Comité Central entre 1976 e 1996.

Pesar pelo Falecimento de João Honrado

João António Honrado nasceu em 1929 em Ferreira do Alentejo e faleceu no passado dia 22 de Março em Beja.

Aderiu ao Movimento de Unidade Democrática Juvenil (MUD Juvenil) em 1947. Preso em Abril desse ano, foi de novo preso em Janeiro de 1949, já ligado ao PCP, durante a campanha eleitoral de apoio ao candidato das forças democráticas, Norton de Matos.

Ver vídeo
PCP apresenta moção de censura ao Governo PSD/CDS e à política de direita

PCP apresenta moção de censura ao Governo PSD/CDS e à política de direita

Esta será uma moção de censura a olhar para o futuro que os portugueses exigem e a que têm direito. Um futuro que não comporta nem um governo que já é passado, nem um Pacto de Agressão que destrói o país. Um futuro que retome os valores de Abril e o projecto de progresso que a Constituição consagra.